Conheça trajetória de mulheres que fazem história no Ceará

Por Rosi Melo
Conheça trajetória de mulheres que fazem história no Ceará
Katiana Pena, Priscilla Veras e Zelma Madeira entre as mulheres cearenses extraordinárias. Fotos: Reprodução

Se dependesse de Elza Soares, a mulher seria um ser divino. “E todas as ciências femininas, a poesia, as rimas querem o seu colo de madona”, cantarola a artista brasileira na canção “Deus há de ser”. Neste domingo (8), dia em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o Site MT celebra o poder feminino por meio da trajetória de mulheres extraordinárias. São elas médicas, jornalistas, empresárias, empreendedoras sociais e professoras que fizeram (e estão fazendo) história no Ceará.

Conheça um pouco mais das conquistas, vivências e inspirações de Edyr Rolim, Duda Riedel, Bia Perlingeiro, Zelma Madeira e Katiana Pena.

LEIA MAIS >> Mulheres Extraordinárias: Fernanda Pacobahyba faz história na Sefaz Ceará

Saiba quem são as 20 mulheres mais poderosas do Brasil em 2020, segundo a Forbes

Edyr Rolim

“Meu âmbito de influência atinge minha família e as empresas. Com minha vivência, que é longa, procuro dar exemplos aos que fazem meu entorno e trocar experiências com os que compõem as entidades das quais participo”.

André Rolim, Ticiana Rolim Queiroz, Edyr Rolim, Isabela Barros Leal e Guilherme Rolim. Foto: Arquivo

Desde a infância, Edyr Rolim mantém uma história de amor com o centro de Fortaleza, onde o pai, Pio Rodrigues, criou a Casa Pio, e até hoje está localizada a sede do Grupo C. Rolim. Enquanto presidente do conglomerado, Edyr se orgulha do legado que a família Rolim construiu em quase 100 anos de negócios.

Esse sentimento de partilha e troca é notável na gestão do grupo, que contempla mais de 10 empresas. Junto com os filhos, Edyr lidera um movimento de excelência empresarial, pautada nos valores da família.

Mais integrantes da família Rolim. Foto: Arquivo

Duda Riedel

“Nós, mulheres, quando nascemos, já estamos construindo um legado e uma história de mudança”

Foto: Divulgação

Antes de descobrir um quadro de leucemia, em 2019, Duda Riedel fazia sucesso na internet pelo seu engajamento sobre empoderamento feminino. A atriz e jornalista viu a vida como conhecia se transformar da noite para o dia após a doença. Porém, a atitude positiva com que lidou com a situação, até nos dias mais difíceis, foi o que a impulsionou a empoderar outras mulheres em tratamento oncológico, mesmo após a remissão do câncer.

“Eu tento sempre empoderar as mulheres que estão nessa luta porque elas já são vitoriosas por estarem enfrentando esse momento. É muito importante sermos mulheres que levantam outras mulheres”.

Foto: Divulgação

Bia Perlingeiro

“Contribuo quando favoreço um espaço de debate, a construção e reflexão de pensamento crítico e a conexão com a cidade e seus espaços culturais, públicos e privados”. 

Foto: Divulgação

Foi na arte que Bia Perlingeiro encontrou fôlego para fazer história. Gerente executiva da Galeria Multiarte por trinta anos, cargo hoje assumido pelo filho Victor Perlingeiro, Bia já coordenou atividades na área de exposições de arte, seminários, catalogação de coleções públicas e privadas. Hoje se dedica à implantação de projetos culturais e de formação de público, com grupos de estudos e pesquisa, onde a mulher assume papel crucial.

“São experiências novas que transformam as visões de mundo delas e passam a se incorporar as reflexões e ações do dia a dia. Nesse lugar árido de espaços para se discutir arte e vida, essas experiências são como as luzes de vagalumes que piscam e sobrevivem juntas, coletivamente, na intermitência de suas existências”.

Grupo de estudos da Galeria Multiarte promove encontros e discussões sobre o fazer artístico. Foto: Reprodução/Instagram

Zelma Madeira

“Que a paz seja construída a partir do respeito às diferenças e às diversidades”

Foto: Reprodução

Zelma Madeira é Coordenadora Especial de Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade Racial do Ceará (CEPPIR). Além disso, coordena laboratórios e grupos de pesquisa sobre raça na Universidade Estadual do Ceará (Uece).

Como gestora e mulher negra, Zelma tem voz ativa na luta pela igualdade racial, seja no meio acadêmico, seja nos movimentos sociais. “Me sinto no papel de retraduzir ou traduzir as reivindicações”, defende.

“Me espelho na liderança das mulheres quilombolas, indígenas, pajés, caciques e também nas mulheres de terreiro. Se diante das dificuldades, essas mulheres ficam na liderança e não desistem, isso me ilumina para eu continuar fazendo história”. 

Katiana Pena

“A mulher é a salvação do planeta e o mundo está nas mãos de todas nós!”

Foto: Divulgação

Katiana Pena cresceu dentro do projeto Edisca. Por muitos anos bailarina da escola, a cearense enxergou no trabalho uma potência para impactar outras vidas. Foi assim que nasceu o Instituto Katiana Pena, uma organização sem fins lucrativos que oferece aulas de dança gratuitamente para mais de 600 crianças e adolescentes do bairro Bom Jardim. 

Em 2018, a instituição foi agraciada com o Prêmio Veja-Se, entregue pela Revista Veja em reconhecimento a iniciativas que transformam a sociedade.

“Acredito que a arte e a educação sejam os pilares para o desenvolvimento humano. Minha mãe soube educar com dignidade e sabedoria, mesmo sendo analfabeta. Hoje, ela é meu maior incentivo para acreditar na humanidade e nas mudanças que a arte me proporcionou”

Foto: Divulgação

Priscilla Veras

“Nós podemos sim criar negócios inovadores que vão mudar o mundo”

Foto: Divulgação

Pedagoga, cientista política e empreendedora, Priscilla Veras dedicou parte da sua vida na luta contra a pobreza sendo executiva de organizações internacionais. Em 2016, resolveu impactar de outra forma e criou a startup Muda Meu Mundo. A empresa tem como objetivo tornar a alimentação sustentável acessível para a população através do conceito de Mercado Justo.

“Acho que a minha maior contribuição é para as mulheres empreendedoras no Ceará: mostrar que nós podemos pensar em empresas lucrativas que existam para resolver problemas sociais ou ambientais. Nós podemos sim criar negócios inovadores que vão mudar o mundo”.

Tanta dedicação rendeu a Priscilla vários prêmios. Em 2017, foi vencedora na categoria Mulheres de Impacto num prêmio entregue pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e Sebrae-Nacional. Em 2018, foi eleita “Empreendedora do Ano” pela Youth Business International para América do Sul e Caribe; e a Muda Meu Mundo foi escolhida como um dos três negócios de Liderados por Mulheres de maior destaque no Brasil no Prêmio Claudia.

Veja também