O CEO da Latam Linhas Aéreas Brasil, Jerome Cadier, esteve em Fortaleza, nesta quarta-feira (4), para o anúncio dos novos voos da Latam, inclusive um para Orlando, na Flórida (EUA), direto da Capital do Ceará, que começa a operar nesta quinta-feira (5).

Leia mais:

> Novos voos da Latam são anunciados em solenidade no Palácio da Abolição

Na ocasião, ele reforçou que o incetivo de ICMS é algo muito relevante para o futuro da economia.

Jerome Cadier posa ao lado do governador do Ceará Camilo Santana Fotos: Camila Lima

Confira entrevista na íntegra:

Vocês estão anunciando mais voos da Latam. E a decisão de anunciar o hub da Latam no Nordeste? Foi adiada?

As últimas notícias do ponto de vista econômico, desde 2015, fizeram com que a gente postergasse o hub e fosse com outra estratégia. A gente vai construindo ele aos poucos. Eu acho que o movimento que a gente vê está na direção correta, mas é ainda muito tímido, a gente quer fazer mais. Esperamos voltar a patamares de passageiros transportados e oportunidades para frente que a gente via em 2014 e 2015, quando a economia estava mais aquecida do que hoje. Mas [o anúncio dos voos] é um passo na direção correta, um aumento de 25% da malha doméstica, uma colocação de mais voos para dois destinos dos Estados Unidos [Miami e Orlando]. Espero que eles venham seguidos de mais movimentos nos próximos meses”.

Existe perspectiva para o anúncio do hub?

A pespectiva ficou muito turbulenta nos últimos tempos, com o petróleo no patamar  que está, e as empresas, principalmente a Latam, está em um momento cauteloso. Apesar disso, anuncia um investimento grande como é esse dos novos voos. Mas não tem prazo de voltar a uma discussão de hub como era dito lá trás.

Além de Orlando e Miami, pode adiantar outros destinos?

Eu adoraria vislumbrar outros destinos a partir daqui, mas por enquanto não consigo confirmar nenhum deles. No entanto, tem uma lista que eu gostaria de anunciar assim que esse hub se consolidar.

Qual a representatividade de Fortaleza para a Latam?

A gente sempre pensa muito em Guarulhos e Brasília como duas operações importantes da Latam. Hoje, claramente, Fortaleza se coloca como a 3ª operação mais importante da Latam dentro do Brasil. Imaginando que a Latam é maior companhia aérea do hemisfério sul no mundo, acho que isso é uma posição bastante importante e com oportunidades mais pra frente para fazer que isso cresça ainda mais.

O incetivo de ICMS foi fundamental para o fechamento do acordo com o Estado?

Acho que é muito difícil a gente falar se é o melhor incentivo ou não. O que é importante a gente reconhecer é que isso permitiu uma adição significativa de voos, tanto domésticos quanto novos destinos internacionais, e faz com que cada vez mais a gente olhe o que a gente chama da conectividade a partir da cidade de Fortaleza. Para a gente é muito importante que isso seja um caminho que se abre para as discussões para frente. E o principal disso é imaginar que a gente está repensando todo o nosso fluxo de peças de manutenção, de mais de 50 milhões de dólares de investimento anual, que a gente hoje traz por outras cidades. A partir do momento que a gente conseguir a logística disso, será a partir de Fortaleza, e aí distribuir para todo o Brasil. É uma parceria que vai muito além de simplesmente aumentar voos por uma questão de ICMS, mas é a geração de emprego na economia, que é bastante importante pra gente. 

A partir de quando começam os novos voos?

O voo para Orlando começa a partir de quinta-feira (5). E durante todo o mês de julho e agosto aumentaremos a malha doméstica. O importante, mais até do que a gente pensar em passageiros, é pensar que a representação da quantidade de voos diários é brutal. A gente fala em 40 voos diários, um movimento bastante grande para qualquer cidade em que a Latam opera no mundo.