O universo da arte sabe bem a importância de abrir acervos particulares para o grande público. Em Fortaleza, nos últimos anos, nomes como o de Sílvio e Paula Frota, que colocaram a disposição seu gigantesco acervo de fotografias dentro do Museu da Fotografia de Fortaleza, ou da Fundação Edson Queiroz, que abriu exposição revelando a história do país através de peças valiosas, fortaleceram a cidade como base cultural no país.

Agora, diretamente de São Paulo, Dodora Guimarães, Presidente do Instituto Sérvulo Esmeraldo, traz boas notícias artísticas. Foi com um jantar prestigiado que a exposição “Construções e Geometrias” abriu oficialmente no Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia. A mostra revela um recorte da coleção de Dulce e João Carlos de Figueiredo Ferraz, trazendo parte da série Coleções no MuBE, que tem como objetivo revelar a construção do olhar do colecionador, aproximando o grande público de acervos particulares importantes e pouco conhecidos na cidade. E tem obras do Cearense Sérvulo Esmeraldo entre as escolhidas pelo curador Cauê Alves!

Durante o jantar, instalado na esplanada no MuBE, Dodora compartilhou com a gente o detalhe das mesas homenageando artistas envolvidos na mostra. Sérvulo, inclusive, ganhou duas mesas especiais com toalhas e pratos estampados com suas obras. A curadora participou da marcante noite atendendo ao convite da Diretora Flávia Veloso. Temos os cliques do evento.

Gustavo Von Ha e Carolina Ferraz
Marina Goldfarb e Marina Diniz

SOBRE “CONSTRUÇÕES E GEOMETRIAS”

Com trabalhos dos principais artistas contemporâneos brasileiros, a Coleção Figueiredo Ferraz tem se estabelecido de forma orgânica e engajada. A seleção de obras apresentadas em Construções e Geometrias, que tem curadoria de Cauê Alves, inclui artistas como Adriana Varejão, Sérvulo Esmeraldo, Artur Lescher, Carlos Garaicoa, Carmela Gross, Cildo Meireles, Edgard de Souza, Ernesto Neto, Nelson Leirner, Laura Vinci, Nuno Ramos, Waltércio Caldas, entre outros.

Obra de Gisela Motta e Leandro Lima

A trajetória de João Carlos de Figueiredo Ferraz como colecionador e mecenas é um exemplo de apoio à arte. Tendo iniciado suas aquisições na década de 1980, João Carlos sempre apoiou instituições culturais e a produção artística. Fundador do Instituto Figueiredo Ferraz, em Ribeirão Preto, São Paulo, João Carlos foi presidente da Fundação Bienal de São Paulo e é Conselheiro de museus como o MASP e o MuBE, entre outros diversos.