José Guedes celebra cinco anos da Casa D’Alva com nova exposição

Por Jacqueline Nóbrega
José Guedes celebra cinco anos da Casa D’Alva com nova exposição
>

O artista plástico e curador José Guedes anfitrionou a abertura da exposição “A Obra“, na Casa D’Alva, que celebra os cinco anos do espaço, na noite de quinta-feira (12), com muitas presenças ilustres, como Beto e Ana Studart.

LEIA MAIS >> José Guedes expõe obras em salão de artes no Equador; saiba detalhes

Mais de 30 artistas, inclusive ele, têm seus trabalhos expostos na mostra: Alex Costa, Artur Bombonato, Azuhli, Cadeh Juaçaba, Cardoso Jr., Carlos Otávio, Célio Celestino, Demétrio Jereissati, Eduardo Eloy, Fernando França, Francisco de Almeida, Henrique Viudez, Herbert Rolim, Ingrid Barreira, Jens Beuthler, Julia Debasse, Júlio Maciel, Junior Pimenta, Luciana Otoch, Maciek Babinski, Márcio Ary, Marco Ribeiro, Marcus Novais, Maurício Coutinho, Renata Vale, Rian Fontenele, Roberto Galvão, Rodrigo Frota, Sérgio Gurgel, Sérgio Helle, Sérgio Lima, Sérgio Pinheiro, Tarcísio Féliz e Weaver Lima.

“Quando pensamos na mostra comemorativa, a ideia, desde o início, foi reunir um grupo de artistas do Ceará, não necessariamente cearenses, de várias gerações, fazendo um recorte na produção atual”, destaca José.

Vimos por lá: Carlos Otávio, Ingrid Barreira e Eder Chiodetto

“O maior desafio foi o formato de escolher uma obra de cada. Esse trabalho teria que ser uma espécie de síntese da obra desse artista, ou do atual momento da sua produção. Isso foi possível pelo fato de cada obra ter sido discutida com o próprio auto, o que tornou a curadoria compartilhada” disse, ainda, ele sobre a “A Obra”, que segue em cartaz até fevereiro de 2020.

Neuma Figueiredo e Esdras Guimarães em estado de contemplação

Homenagem a mãe

A galeria de José recebeu o nome Casa D’Alva em homenagem à mãe do artista, já que foi construída no local onde os pais dele moravam.

Dona Alva era a minha mãe. Não restou nenhuma referência física a construção antiga, mas o local permanece impregnado de muita energia positiva. O meu ateliê fica em um espaço em anexo à galeria, onde antigamente era uma espécie de horta e mini zoológico da minha mãe. E isso é bastante inspirador”, relata.

O artista ainda relembra que o ambiente foi pensado como um espaço cultural, embora com estrutura de galeria de arte. “Já sabíamos de antemão que as exposições ali realizadas teriam um caráter didático, primando por obras de qualidade, que bem representassem os artistas expostos. Podemos dizer que esse objetivo foi plenamente cumprido”.

Produção artística

Questionado sobre a produção artística no Ceará, José é otimista. “Vivemos um bom momento no Ceará. Um momento de renovação, tanto no surgimento de novos artistas como na produção de veteranos. Isso pela vontade e obstinação dessas pessoas. Eu poderia citar uma instituição que tem sido um grande diferencial e que é particular: a Universidade de Fortaleza, por acaso onde me formei em direito. Tanto pela magnífica coleção permanente quanto nas exposições temporárias, como a Unifor Plástica, que a cada ano ganha mais fôlego e prestígio”.

Para 2020, José adiantou que a Casa D’Alva recebe uma exposição individual do artista pernambucano radicado em São Paulo Hildebrando de Castro. José Guedes também se prepara para expôr seu trabalho no Rio de Janeiro, em São Paulo, em Brasilia, em Recife, em Berlim e em Guayaqui, no Equador.

Fotos por Alex Campêlo:

Veja também