logo

Seis dicas para começar a escrever criativamente

Por Jacqueline Nóbrega
Seis dicas para começar a escrever criativamente
Mateus Lins é advogado e escritor e realiza oficinas de escrita criativa em Fortaleza há quatro anos. (Foto: Gabriel Farias)

Transformar os pensamentos em texto é um desafio para muitos, e fazer isso de forma que desperte a atenção de quem vai ler, então, pode ser considerado uma arte. Escrever criativamente, contudo, não é impossível, segundo o advogado e escritor Mateus Lins, que ministra oficinas de escrita há quatro anos em Fortaleza.

Dedicar-se à escrita é uma meta atemporal, mas que especialmente agora, em períodos de isolamento social, pode ser essencial para entender emoções, estimular a imaginação e até mesmo criar um registro histórico do período – já pensou em fazer um diário de quarentena?

Veja abaixo as dicas para escrever criativamente:

LEIA MAIS >> Dez livros infantis de Monteiro Lobato para ler online

Festival reúne astros da música internacional em homenagem a profissionais de saúde

  • Nada de cobranças

Para Mateus Lins, a tarefa de escrever deve vir acompanhada de prazer, principalmente devido ao momento que o mundo vive. “Não é o momento para cobrar produtividade de si mesmo, mas de permitir a construção das narrativas de forma fluida e agradável”, orienta.

  • Defina o que vai ser escrito

Antes de tirar as ideias do papel, o escritor explica que é preciso ter clara a história que se quer escrever, bem como sistematizar a ideia principal para conseguir identificar o conflito da narrativa, os protagonistas e as discussões que a trama irá contemplar. “Com esses pontos definidos, sugiro o desenho do enredo, elaboração dos personagens e estruturação dos cenários”, pontua.

  • Escolha uma técnica

Dentre as principais técnicas, Mateus sugere três:

  1. Pegar um papel e anotar todas as ideias que vierem em mente. Depois disso, selecionar as melhores e as que mais se enquadram ao que o autor quer escrever.
  2. Escaleta: consiste na construção de um breve índice das cenas com o uso de descrições rápidas do que irá acontecer ao longo da narrativa.
  3. E se? “Consiste em elaborar perguntas sem barreiras à imaginação e pensar em respostas que podem gerar histórias como, por exemplo, ‘e se não houvessem existido guerras no mundo?’, ‘e se conseguíssemos voltar no tempo?’ ou ‘e se pudéssemos ver o futuro?’”, explica Mateus.
  • Defina uma meta

“Para quem está começando a escrever um romance, por exemplo, e ainda não tem tanta afinidade com a escrita, recomendaria metas de uma ou duas páginas por dia”, orienta Mateus, lembrando que é importante definir metas atingíveis. Além disso, essa definição vai depender da finalidade daquilo que está sendo escrito.

  • Guarde ideias

Anotar as ideias quando elas surgem é positivo para você não esquecer delas. “Uso um bloco de notas virtual no celular e sempre salvo as ideias em uma nuvem”, sugere o escritor.

  • Busque a satisfação pessoal

Não existe forma certa ou errada de escrever, garante Mateus. “Claro que a história flui melhor quando contamos com a inspiração. Ao se falar em escrita criativa, o que se busca são formas de construir uma narrativa mais consistente e encontrar caminhos para essa construção que sejam capazes de fazê-la acontecer de forma mais leve”, defende ele. Em tempos de isolamento e rotinas alteradas, apostar na escrita como satisfação pessoal é ótimo caminho para fazer com que escrever se torne um hábito, finaliza Mateus.

Veja também