logo

Um olhar sobre o marketing de moda por Joana Laprovitera

Por Tainã Maciel
Um olhar sobre o marketing de moda por Joana Laprovitera
A cearense Joana Laprovitera é referência no marketing de moda (Foto: Arquivo)

“Ser mulher e nordestina sempre foi potencial para mim”. Joana Laprovitera ganhou a curiosidade sobre o estético, o sensorial e o comportamento humano do berço. Filha do artista plástico Totonho Laprovitera e de Elusa Laprovitera, sempre curiosa, hoje, a cearense é referência no marketing de moda.

Publicitária, Joana começou sua carreira profissional em agências e tornou-se produtora e estilista após estudar no Istituto Marangoni de Londres. Seguiu para desenvolvimento de produto em marcas locais ainda no Ceará, até migrar para São Paulo em 2012, onde conseguiu unir as duas formações e trabalhar com marketing de moda e relações públicas, incentivada pela paixão e curiosidade por pessoas.

LEIA MAIS >> Conheça Beatriz Guedes, a pesquisadora e ativista cearense da moda sustentável

No seu currículo cargos prestigiados despontam, como a função de marketing off-line e RP da marca OQVestir, o maior e-commerce de moda feminina premium do Brasil. Atualmente, Joana trabalha na JHSF Retail, divisão de negócios de varejo da JHSF que inclui o Shopping Cidade Jardim, em São Paulo, atuando na Estratégia do Varejo do núcleo. Confira a entrevista de Joana Laprovitera ao Site MT na íntegra.

Joana Laprovitera (Foto: Divulgação)

1 – Joana, como você começou a se interessar por marketing de moda? 

Eu comecei a minha carreira estudando publicidade e propaganda e com o tempo fui observando que investia muito tempo com conteúdo de moda e luxo, livros sobre o mercado, história das marcas, além de gostar muito de toda a parte da estética e de consumir a moda em si. Logo fui estudar moda em Londres para entender um pouco mais e me encantei com toda a complexidade do mercado, desde a criação até a comunicação, me fascinou o dinamismo e as possibilidades de criar e empreender que existem na moda. 

2 – Do Ceará para SP. Como aconteceu essa mudança? Fala sobre a sua rotina em São Paulo. 

Eu sempre quis “sair de casa” tinha essa sede de explorar novos horizontes, mas ficava dividida, pois sabia que pagaria um preço alto em deixar a minha família e ao escolher uma vida mais custosa eu teria que dar conta de tudo, segurar a onda. Então comecei a trabalhar com moda no Ceará, mas naquela época (oito anos atrás) percebi um mercado que era mais importante na confecção de produtos do que um mercado forte em desenvolvimento de marcas, comunicação ou marketing, portanto comecei a olhar para São Paulo e literalmente bater de porta em porta pedindo para conhecer as marcas que achava legal, conversar com as pessoas que admirava no mercado.

Consegui um trabalho freela no showroom da Cris Barros que me levou a conhecer a dona do OQVestir, Isabel Humberg; tivemos uma ligação direta e começamos uma conversa que me levou a um dream job no site, então mudei de vez para SP. Um fato curioso é que antes disso tudo, tive a oportunidade de desenhar uma coleção (a minha primeira) para a Mares Guia, da Erika dos Mares Guia que hoje é sócia do projeto principal que estou tocando no grupo JHSF onde trabalho. O mundo dá voltas.

Joana Laprovitera em Paris (Foto: Reprodução/Instagram)

3 – Quais são as suas referências na moda e no marketing?

Acho que essa pergunta se refere a uma referência de estilo, certo? Mas sempre me interesso mais pelas figuras desse mercado que estão nos bastidores, trabalhando duro com visão e propósito. Eu sempre fui muito fã da Miuccia Prada pela visão que ela tem da cadeia como um todo acho que ninguém pensa moda como ela hoje em dia. Tenho a chance de estar e trabalhar com muitas pessoas admiráveis do meu mercado no mundo, é um privilégio e me deixa feliz ver e saber que quanto mais competente mais trabalhadoras e discretas são essas pessoas, isso me inspira.

“Mais do que uma profissão, trabalhar com o mercado de moda e luxo acaba sendo um lifestyle“, afirma Joana Laprovitera.

4 – Como você se relaciona com a moda cearense e o marketing desse nicho?

Hoje em dia peco por não viver muito o mercado do Ceará, embora eu veja grandes talentos e muito potencial, talvez pela fase que estou vivendo não tenho tido a sensibilidade ou inteligência para olhar um pouco mais, mas tenho muita vontade de poder devolver muito do que aprendo e do que vivo para a minha Terra, afinal de contas devo às minhas raízes toda a minha bravura e resiliência para explorar os meus desafios, ser mulher e nordestina sempre foi potencial competitivo para mim, minha força está aí e eu gostaria muito de pode incentivar outras pessoas as construírem suas carreiras e buscarem seus sonhos.

Joana Laprovitera (Foto: Reprodução/Instagram)

5 – Na sua opinião, quais são as principais tendências de marketing que as grandes grifes estão incorporando? Como iniciativas brasileiras e cearenses estão replicando isso?

Acho que estamos em um momento de valorizar a humanização. Seja criando tecnologias para aproximar os consumidores, seja com a valorização de novos conceitos de lojas e espaços de experiências que visam ter o olho a olho com o cliente e oferecer serviços para que a compra vá além da aquisição de um bem, um produto, vejo que temos que respeitar o tempo dos consumidores que está cada vez mais escasso, então cada experiência de consumo tem que valer mais do que um bem material, tem que tocar, transformar, fazer um bem.

Veja também