logo

Conheça a Afrore, marca de turbantes que valoriza a ancestralidade

Por Tainã Maciel
Conheça a Afrore, marca de turbantes que valoriza a ancestralidade
A modelo e estudante de Design de Moda Yasmin Djalo é a criadora da marca cearense (Foto: Hei Nascimento)

Cores, tecidos e modelagens com referências ancestrais dão forma a marca cearense Afrore. A brand de turbantes e acessórios nasceu do sonho de Yasmin Djalo, 21, modelo e estudante de Design de Moda na Universidade Federal do Ceará (UFC). Segundo ela, a identidade da marca se entrelaça com a sua própria história e as origens ligadas ao continente africano.

LEIA MAIS >> Réveillon 2021: veja os looks escolhidos pelas cearenses para a virada de ano

Gabriel Baquit inaugura loja física da BABA no Meireles

“Minha mãe é cearense nata e meu pai nasceu em Guiné-Bissau e criou-se em Senegal. Ele veio para o Brasil para estudar e aí eu nasci”, conta. Com essa carga cultural, Yasmin cresceu e não demorou para se interessar pelo universo da moda. Em 2016, ela começou a brincar de modelar com incentivo de amigos que estavam treinando fotografia.

“Foi logo quando comecei minha transição capilar. Parei de alisar meu cabelo e coloquei minhas tranças pela primeira vez. Foi onde eu realmente encontrei minha autoestima, mudei meu olhar sobre mim mesma e os outros também mudaram o olhar sobre mim”,

comenta Yasmin.
Yasmin Djalo é CEO da Afrore (Foto: Divulgação)

Início da marca

Os trabalhos como modelo profissional influenciaram na escolha pelo curso de Design e, há dois anos, ela iniciou os estudos na UFC. “Depois que entrei no curso e descobri a moda como fenômeno social, tive a certeza de que tinha tomado a decisão certa […] Quanto mais eu conheço, mais me apaixono”. E foi dentro da sala de aula que a Afrore surgiu.

“Um professor muito querido nos desafiou a criar um projeto que solucionasse alguma problemática de nossa escolha. Nessa época, eu tinha acabado de viajar para conhecer parte da minha família de África e fiquei completamente encantada com a relação que eles têm com a cultura, autoestima e identidade“, conta a modelo, que decidiu produzir as peças com tecidos africanos.

“Na Afrore, minha intenção é trazer esse mesmo sentimento aqui para o Brasil. A sensação de pertencimento”,

afirma Yasmin Djalo.
Brinco Afrore (Foto: Divulgação)

Além do acessório

Você sabia que usar um turbante vai além da estética por ser uma prática de origem ancestral? Para Yasmin, o acessório foi importante no processo de transição capilar, período em que ela deixou o cabelo natural crescer, após vários procedimentos com produtos químicos para deixá-lo liso.

Yasmin Djalo usa turbante Afrore (Foto: Reprodução/Instagram)

“Depois que comecei a usar o turbante, não consegui mais parar. Além de me sentir literalmente uma rainha, sentia que ele estava protegendo meu crespo, minha cabeça e minha mente”.

Ao longo do tempo, Yasmin foi se envolvendo cada vez mais na arte de “turbantar”, também pelo exemplo dentro de casa. “Além de ficar encantada quando via praticamente todas as mulheres da minha família usando, o turbante me despertou ainda mais curiosidade no contexto histórico geral e foi aí que decidi que minha pesquisa monográfica seria sobre o turbante como ferramenta de resgate identitário“, explica.

Registro da oficina que Yasmin Djalo ministrou no projeto social Edisca (Foto: Reprodução/Instagram)

Hoje, além de comandar a Afrore, a empresária ministra oficinas prático-teóricas sobre o uso do turbante e desenvolve pesquisas sobre identidades negras. “Alguns autores e autoras foram essenciais na minha jornada, como Grada Kilomba e Stuart Hall. Vale muito a pena dar uma conferida em suas teses”, indica.

Veja também