logo

DFB Digifest: primeiro dia tem manifesto, valorização do artesanato local e Silvero Pereira na passarela

Por Redação
DFB Digifest: primeiro dia tem manifesto, valorização do artesanato local e Silvero Pereira na passarela
O trabalho manual em destaque no desfile de Ivanildo Nunes (Foto: Divulgação/Igor Cavalcante)

O primeiro dia de desfiles do DFB Digifest, que acontece até sexta-feira (31) de forma digital, no canal do YouTube do evento, foi marcado pela apresentação do trabalho de três estilistas nordestinos.

Destaque para o desfile de Lindebergue, que trouxe à passarela um manifesto, com a presença de Silvero Pereira e um casting de modelos inclusivo. Antes mesmo da coleção ser apresentada ao público virtualmente, o próprio Lindebergue fez um vídeo para o IGTV explicando o conceito do desfile, que abraçou o artesanato e os artesãos locais.

LEIA MAIS >> DFB Digifest apresenta desfiles virtuais com foco na moda autoral; estilistas falam sobre processo criativo

Confira a programação de desfiles do DFB Digifest

Silvero Pereira no casting do desfile de Lindebergue (Foto: Divulgação)

A coleção, que passeou pelos tons crus, beges e terrosos, também prestou uma homenagem à Thina Rodrigues, com a frase “Thina presente” estampada em blusa. Ela, que era presidente da Associação de Travestis do Ceará, faleceu em junho deste ano em decorrência da Covid-19. Frases como “Vidas trans pretas importam” estampavam as peças apresentavas por Lindebergue. Na trilha sonora, “Não recomendado“, de Caio Prado.

Faroeste e cangaço juntos

O piauiense radicado no Ceará, Bruno Olly, abriu a programação do primeiro dia. A coleção apresentada por ele foi inspirada no faroeste com características do cangaço. As peças misturavam um visual country à pegada do streetwear, que já faz parte do DNA do estilista. Materiais como jeans, cirrê e linho puderam ser vistos na passarela.

O trabalho manual sempre presente nas peças criadas por Ivanildo Nunes invadiu mais uma vez o DFB. Intitulada “O reecontro do eu perdido“, a coleção trouxe crochê, rechilieu e bordados manuais. O estilista também aproveitou sobras de materiais picado que virariam lixo e as transformou em peças glamourosas. Destaque para as estampas coloridas que lembram a técnica tie-dye, em alta durante o período de isolamento social.

Os desfiles continuam nesta quarta-feira (29) com apresentações do coletivo que reúne Bruno Queiroz, Gisela Franck e Bikiny Society, além de Vitor Cunha e Almerinda Maria.

Veja também