logo

DFB Digifest apresenta desfiles virtuais com foco na moda autoral; estilistas falam sobre processo criativo

Por Redação
DFB Digifest apresenta desfiles virtuais com foco na moda autoral; estilistas falam sobre processo criativo
A designer cearense Marina Bitu apresentará nova coleção no DFB Digifest (Foto: Divulgação)

O DFB Digifest 2020, edição virtual do maior encontro da moda autoral da América Latina, realiza de 28 a 31 de julho o DFB LiveModa, que apresentará 16 desfiles de forma 100% online, com conteúdo transmitido no canal do Youtube do evento. A ação tem como intuito promover a moda autoral, renovando e incentivando o trabalho e a autoestima de criadores e marcas parceiras neste momento de dificuldade.

Na line up, grandes nomes que já estavam confirmados na edição física e que são estilistas consagrados e marcas do trade da moda autoral: Bruno Olly; Ivanildo Nunes; Lindebergue; Coletivo (Bruno Queiroz + Catarina Mina + Gisela Franck + Bikiny Society); Vitor Cunha; Almerinda Maria; Rendá por Camila Arraes; Ronaldo Silvestre; Kalil Nepomuceno; BABA, Marina Bitu e Theresa Montenegro, sendo as duas últimas estreantes no evento.

LEIA MAIS >> DFB Festival realiza edição online e distribuirá R$ 35 mil a talentos afetados com a pandemia

‘Vamos lutar pelo que é nosso’, diz Cláudio Silveira sobre a moda local em live com Márcia Travessoni

Marina Bitu, inclusive, adiantou ao Site MT que sua nova coleção será inspirada no resgate das raízes e relação afetiva com o Nordeste. Quando criança, a designer passava muitas horas viajando com a família e as comidas de beira de estrada sempre fizeram parte dessa experiência. “Vejo nesses alimentos o patrimônio cultural nordestino, a simplicidade da invenção e como resultado produtos tão criativos e únicos. Nessa coleção, que fala sobre expressão e memória nordestina através da alimentação, parte dos lucros serão destinados a projetos de cozinhas comunitárias”, diz.

Croquis da coleção de Marina Bitu (Foto: Divulgação)

Alguns acessórios da coleção, desenvolvidos em cerâmica, reproduzem objetos comuns que fazem parte da cultura local, como o espelhinho laranja, presente em feiras, mercados e barracas. A bolsa “sanfona” tem inspiração no instrumento que embala o ritmo nordestino.

“Uma série de t-shirts em linho homenageia alimentos como pipoca, rapadura, mariola e café. As principais cores presentes na coleção são off white, bege, caramelo, marrom, terracota e verde. Plissados, drapeados e franzidos são os principais elementos de estilo trabalhados nas peças. Alguns produtos tem proposta versátil e apresentam mais de uma forma de vestir”, apresenta.

T-shirt “Mariola” de Marina Bitu (Foto: Divulgação)

“O DFB se reinventou e fez com que nós, os designers, fizéssemos o mesmo. Foi um importante resgate do nosso ânimo e da nossa autoestima como criadores”,

afirma Marina Bitu.

Sobre as gravações do desfile, a estilista afirma que foi interessante ver a dinâmica desse novo formato de evento. “As gravações tiveram curtíssima duração, em média 2h, para evitar pôr em risco os profissionais. As equipes estavam reduzidas, o formato era diferente, e toda a atmosfera do desfile foi construída para uma vivência online”.

‘Arte da resiliência’

Nome consagrado nas passarelas, Lindebergue Fernandes sabe que a moda tem poder de questionar e politizar. Sua mais recente coleção, que será apresentada no DFB Digifest, “fala de arte e enfrentamento, de sensibilidade e firmeza, do defender a própria identidade e lutar pela existência de muitos outros”, diz o estilista. A coleção abraça o artesanato local e homenageia Thina Rodrigues, travesti, negra, transformista, fundadora da Associação das Travestis do Ceará (Atrac), que faleceu devido a complicações da Covid-19.

Croqui da nova coleção de Lindebergue Fernandes (Foto: Divulgação)

“A vida e a luta de Thina e dos nossos artesãos servem de inspiração nesse momento em que todo mundo necessita de força e coragem para vencer muitos vírus invisíveis. E talvez o maior destes vírus seja o do preconceito. O preconceito pela cor da pele, pelo gênero, pela orientação sexual, pela classe social”, comenta.

Lindebergue Fernandes (Foto: Arquivo)

A cartela de cores da coleção-cápsula de Lindebergue apresenta apenas tons crus, beges e terrosos. Até na estampa criada por Maurício Alexandre, estudante de design de moda, que se inspirou na resiliência e no trabalhão dos artesãos sertanejos. O ponto de cor aparece em adereço/turbante criado pelo artista plástico Ciro Alencar, inspirado na bandeira arco-íris usada pelo movimento LGBTQIA+. A coleção traz peças em formas redondas e volumosas, amplos vestidos balonês, moletons oversized e “mangas-nuvens” – uma das marcas registradas do designer.

Viagem ao centro da terra

Enquanto o último desfile – e estreia – da BABA no DFB Festival resgatava ícones do passado e da memória afetiva dos cearenses, a nova coleção da marca, idealizada por Gabriel Baquit, olha para frente e procura desenhar cenários possíveis de uma Fortaleza futurista, imaginando o Centro da cidade como palco de uma ficção científica.

Nova coleção da BABA (Foto: Divulgação)

“Inspirada pelo movimento Cyberagreste, a marca lança um olhar distante de estereótipos sobre a cultura Nordestina, utilizando-se de uma narrativa paralela para imaginar o futuro de uma forma poderosa e inspiradora. O recorte é o Centro da cidade: suas praças, seu caos organizado, seus prédios históricos engolidos pela ocupação não planejada, sua vida noturna e seus personagens de ontem, de hoje e de amanhã”, afirma Gabriel.

Gabriel Baquit (Foto: Divulgação)

Neste ano, a BABA propõe imaginar Fortaleza e os signos do Centro de Fortaleza em posição de protagonismo num enredo retrofuturista. “Conseguir se imaginar no futuro é acreditar que nele a gente sobrevive”, pondera Gabriel.

“Não lembro de ter visto outro evento de moda nacional se adaptar a essa configuração. Isso mostra como o DFB está na vanguarda da moda brasileira”,

diz Gabriel Baquit.

Estreante na passarela

Theresa Montenegro, por sua vez, é estreante no line-up do DFB Digifest 2020. Organizar um desfile para apresentar o DNA da marca que leva seu nome em meio à pandemia foi um desafio para a jovem designer.

A grife aposta no slow fashion e no trabalho manual como diferencial e já conquistou o coração de famosas como Anitta, Camila Coutinho, Lore Improta, entre outras celebridades.

VEJA AINDA >> Designer cearense desenvolve peças feitas à mão para nomes como Anitta e Luísa Sonza

A coleção que será apresenta na sexta-feira (31) trará mix de cores, tie dye, aplicações manuais, plumas, brilho e muito glamour. “Minha intenção é trazer a mensagem de força, esperança e a certeza de dias melhores. Muito em breve estaremos novamente confraternizando com as pessoas que amamos. Vejo o novo momento com ainda mais motivos para comemorarmos a vida”, disse ao Site MT.

Theresa tomou todos os cuidados para produzir uma coleção em meio à pandemia (Foto: Arquivo pessoal)

Theresa convidou nomes como Edith Gomes, Tamylle Oliveira, Fer Borges e a modelo plus size Ana Cláudia para integram um casting inclusivo e que contemla diferentes tipos de corpos. “Estou muito feliz com o resultado dessa edição, que será inédita e memorável, afinal, com tanta gente talentosa junta trabalhando com tanto amor e determinação, o resultado não poderia ser diferente”.

As gravações dos desfiles do DFB Digifest aconteceram nos dias 18 e 19 de julho, na F3 Produções, realizando os cuidados e protocolos de segurança para o cast de modelos e as equipes de produção, beleza e técnica. “Os desfiles são o ponto alto do no DFB e não poderíamos deixar esse momento de fora da nossa edição digital. Neste ano, queremos promover um conteúdo de qualidade, mas sempre reforçando todos os cuidados com a saúde de todos”, comenta o diretor geral do DFB, Cláudio Silveira.

Veja também