Em julho de 2018, a Escola de Samba União da Ilha, que integra o grupo especial do Carnaval do Rio, anunciou que o seu samba-enredo fará homenagem ao Ceará. Com o nome de “A peleja de Rachel e Alencar no avarandado do céu”, o enredo assinado pelo carnavalesco Severo Luzardo passeia, de maneira lúdica, pelas carreiras dos escritores cearenses Rachel de Queiroz e José de Alencar.

Em busca de retratar o Ceará como ele é descrito nos livros, Severo foi buscar inspiração em trabalhos manuais desenvolvidos na região, como as diferentes técnicas de renda, bordados, e materiais como a palha da carnaúba, árvore nativa do Nordeste e símbolo do Estado. Foi a partir dessa série de pesquisas que convidou os estilistas cearenses Lindebergue Fernandes e Ivanildo Nunes, além do mestre Espedito Seleiro, a integrar a equipe que desenha as peças de algumas alas do desfile. No total, são mais de 10 mil peças artesanais vindas diretamente do Ceará.

Trio de sucesso: Ivanildo Nunes, Severo Luzardo e Lindebergue Fernandes. Foto: Divulgação/União da Ilha

Em conversa com Lindebergue, descobrimos que essa é a sua primeira vez trabalhando para uma escola de samba. “É uma imensa honra representar a cultura local no País, e nacional para o mundo”, agradece. De acordo com ele, Severo procurou estilistas locais que tinham mais relevância no uso de materiais artesanais da terrinha e foi aí que seu nome apareceu.

Lindebergue assina as peças da Ala dos Brincantes, e nos conta que o seu maior interesse é mostrar ao público sua arte e a brasilidade, com elementos que valorizem nossas características regionais, como a renda. “A última ala da escola vem vestida como todo brasileiro de raiz: alegre, dinâmico, criativo, despretensioso, colorido, espontâneo, ágil e econômico, especialmente depois do ano que há pouco se findou”, detalha.

Contagiado pelo tema do samba-enredo, “A peleja poética entre Rachel e Alencar no avarandado do céu”, o cearense buscou embalar suas ideias e conduzir seus traços através da “alegria e a simplicidade de nosso povo, o calor do agreste, as pelejas da vida, a essência humana, os saberes passados de pais para filhos, a fé e o artesanato”.

Para enriquecer o processo criativo que envolve a criação das roupas, Lindebergue tem mantido um diálogo bem inspirador com Ivanildo Nunes, que irá vestir a Velha Guarda da escola e chegou a doar os vestidos de alta costura de crepe e rendas de bilro, renascença e Richelieu que serão usados pelas 33 mulheres que fazem parte da ala. “Vamos até viajar juntos para o Rio. […] O Ivanildo é um arquiteto de corpos femininos. Ele é ousado em misturar materiais e formas – com extrema contemporaneidade – sua arte é usável e completamente feminina!”, ressalta.

Arabescos são uma das características primordiais das peças desenvolvidas por Espedito Seleiro, como é o caso dessa cadeira que esteve em exposição na Galeria Multiarte

Lindebergue, inclusive, vai desfilar junto com os foliões, para celebrar “a vida, a arte, a criatividade e a expressão de meu povo”, tendo como referência para os trajes também os famosos arabescos de Espedito Seleiro. “Espedito já nos inspira há muito. Ele é fantástico em sua simplicidade, originalidade e colorido! Fantástico como ele consegue tirar da aridez de nosso sertão uma poesia sinuosa, sutil e alegre em cada detalhe de suas obras”, nos conta o estilista, encantado.

Outras homenagens
A União da Ilha do Governador não será a única a homenagear o legado cearense no Rio. A Escola de Samba Paraíso de Tuiuti irá compor um samba-enredo inspirado no Bode Ioiô, um dos símbolos mais icônicos da cultura sertaneja do Estado que está em exposição no Museu do Ceará. O animal ganhou fama após ser eleito vereador nas eleições municipais de 1922, em um ato de protesto da população de Fortaleza. De acordo com a Tuiuti, a ideia é manter o senso crítico da história e aplicá-la aos tempos modernos.