Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Cinco dicas para fazer o lockdown em Fortaleza funcionar

4 mar 2021 | Notícias

Por Redação

Com a alta de casos de Covid-19 e capacidade hospitalar quase no limite, o mais seguro é se resguardar em casa, sempre que possível. O governador do Ceará, Camilo Santana, decretou lockdown de duas semanas em Fortaleza, de 5 a 18 de março. Embora dura, a medida é necessária para preservar vidas, e mesmo que tenhamos passado por um isolamento rígido há menos de um ano, não custa relembrar alguns princípios fundamentais para o cumprimento da norma e trazer um pouco de leveza aos dias de confinamento.

LEIA MAIS >> Veja lista de produtores locais para comprar e fortalecer a economia do Ceará

Camilo Santana visita laboratório para negociar vacina em Brasília

  • Usar a máscara corretamente

Item indispensável na proteção contra o novo coronavírus, a máscara tem sido deixada de lado por muitas pessoas, ou usada de maneira errada. Primeiro de tudo, é importante lembrar que a máscara deve cobrir o nariz e a boca completamente, estar bem ajustada ao rosto, ter três camadas e não deve ser retirada para falar com outras pessoas ou atender ligações, por exemplo.

Nariz e boca devem estar totalmente protegidos pela máscara, seja ela de pano com três camadas ou do tipo cirúrgica. (Foto: iStock)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) segue recomendando o uso de máscaras de tecido para evitar a transmissão, mas com o surgimento de novas variantes do coronavírus – que infectam mais rápido com uma menor quantidade de vírus – especialistas ao redor do mundo têm recomendado o uso de máscaras cirúrgicas e as do tipo N95 ou PFF2.

Muitas pessoas têm optado, ainda, por usar simultaneamente uma máscara cirúrgica e uma de pano. A prática, segundo um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) – órgão de saúde dos Estados Unidos -, pode reduzir em 95% o risco de transmissão.

Para saber mais informações sobre o uso correto e a eficácia de cada tipo de máscara:

– Ouça a entrevista do doutor em engenharia biomédica e integrante do Observatório Covid-19 Brasil, Vitor Mori, no podcast Café da Manhã, da Folha de S. Paulo;

– Ouça a entrevista do diretor acadêmico da Associação Médica Brasileira, Clóvis Constantino, no programa Revista Brasil, da Empresa Brasil de Comunicação.

  • Lavar as mãos e usar álcool

Quando precisar sair, além de usar a máscara, é essencial lavar as mãos e usar o álcool, para desinfetar o corpo e superfícies às quais muitas pessoas tenham acesso. As orientações do Ministério da Saúde são lavar com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão, ou higienizar com álcool em gel 70%; além de higienizar o celular, brinquedos das crianças e outro objetos que são utilizados com frequência.

  • Abusar da tecnologia para não aglomerar

Nada de festinhas, encontros de amigos e comemorações reunindo pessoas em casa ou outro ambiente, especialmente se ele for fechado, uma vez que o vírus é transmitido pelas gotículas emitidas quando alguém infectado fala, tosse ou espirra.

“Imagina que cada pessoa que está falando sem máscara é como se estivesse fumando, e o seu objetivo é inalar a menor quantidade possível dessa fumaça. Se você estiver num espaço fechado e mal ventilado, mesmo que esteja a mais de dois metros da pessoa, vai inalar muita fumaça desse cigarro, que vai se espalhar pelo ambiente. […] Em ambientes fechados e mal ventilados, não há distanciamento que te garanta segurança”, estabelece o integrante do Observatório Covid-19 Brasil, Vitor Mori.

Então, ainda que estejamos cansados de telas e saudosos de encontros, é preciso mais uma vez recorrer às chamadas de vídeo. (Foto: Arquivo MT)

Então, ainda que estejamos cansados de telas e saudosos de encontros, é preciso mais uma vez recorrer às chamadas de vídeo e testar recursos como a ligação de voz e vídeo pelo computador, recentemente liberadas pelo WhatsApp; ou as lives com até quatro pessoas do Live Rooms, ferramenta liberada recentemente pelo Instagram.

  • Escolher produtores locais para fazer compras e solicitar serviços

A necessidade e a urgência do lockdown não eliminam uma das consequências dessa medida, que são os prejuízos econômicos, especialmente dos pequenos produtores locais. Você pode fazer a sua parte comprando de pequenas indústrias, valorizando os itens produzidos no Ceará e apoiando o trabalho de mulheres chefes de famíla.

O Site MT listou vários segmentos para você conhecer, testar e ainda ajudar a economia local.

  • Compartilhar notícias boas e com informação comprovada

A desinformação é um fator de grande risco, especialmente em meio uma pandemia. As fake news e as informações desencontradas geram pânico e muitas vezes atrapalham ações governamentais para conter a Covid-19. Ao receber uma notícia, seja ela relacionada ou não ao novo coronavírus, certifique-se da veracidade dela antes de compartilhar. Busque fontes oficiais como a Organização Mundial da Saúde, o Ministério da Saúde, a Sociedade Brasileira de Infectologia, a Secretaria Estadual de Saúde e veículos tradicionais de imprensa.

O Comitê Gestor da Internet no Brasil, ligado ao Governo Federal, tem uma cartilha sobre como checar se notícias compartilhadas online são verdadeiras.

Além disso, evite consumir apenas notícias que abordem a tragédia pandêmica e procure conteúdos com mensagens mais leves, verdadeiras, positivas e relevantes. Uma dica é acompanhar a Plataforma Márcia Travessoni pelo Site MT, redes sociais, YouTube e podcast!

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE