Leonardo Mouramateus celebra reconhecimento no exterior e prepara novo filme

Por Redação
Leonardo Mouramateus celebra reconhecimento no exterior e prepara novo filme
Mouramateus acaba de lançar um curta e já está na produção do segundo longa da carreira - Foto: Divulgação

O cineasta cearense Leonardo Mouramateus já é praticamente presença cativa no Festival de Cinema de Roterdã, na Holanda. Participando pelo terceiro ano da mostra, em 2020 ele exibiu “A chuva acalanta a dor” na mostra competitiva de curtas-metragens “Ammodo Tiger”, dentro do festival que aconteceu entre 22 de janeiro e 2 de fevereiro. Apesar de não ter vencido a competição, ele celebra a boa fase na carreira e finaliza, agora, o segundo longa-metragem, gravado no Brasil e em Portugal. 

Além disso, seis trabalhos do cearense, natural de Fortaleza, foram exibidos na seção “Deep Focus” da mostra holandesa, que oferece um mergulho na obra de jovens cineastas. “Estreei no Festival em 2017 o meu primeiro longa-metragem, António Um Dois Três, e retornei em 2018 apenas como parte da equipe do Sol Alegria, filme de Mariah e Tavinho Teixeira”, conta, sobre suas outras participações no evento europeu.

LEIA MAIS >> Oscar 2020: Curiosidades sobre os indicados a Melhor Filme

Lançamentos da Netflix em fevereiro incluem La La Land, Flashdance e filmes do Studio Ghibli

“É um festival super acolhedor, com uma curadoria que ama os filmes aqui mostrados, e que valoriza trabalhos cheios de risco. Gosto muito também do tom informal das conversas”, completa.

Novo trabalho

Finalizando seu segundo longa-metragem, o cineasta, que se divide entre Lisboa e Fortaleza, diz que as gravações do filme aconteceram na Capital, Rio de Janeiro e em solo português.  “É um filme dirigido por mim, co-escrito com o Mauro Soares, que protagoniza o filme com a Mariah Teixeira. É um filme sobre irmãos, e tem o mesmo tom lúdico do meu primeiro longa”, adianta sobre novo trabalho, ainda sem data para lançamento.

Questionado sobre o cinema local, ele não poupa elogios aos novos nomes, cena em que se inclui, definindo como “experimental, selvagem e jovem”. “É uma energia que nós mesmos não temos muita noção. Muito menos as políticas públicas – que a esta altura já deviam estar suportando muito mais essa fonte de trabalho e criação”, pontua, deixando claro: “Tenho em conta que estou só começando, e que muitos filmes ainda estão por vir”.

Veja também