O Iate Clube de Fortaleza foi fundado por dezesseis jovens da sociedade cearense, após vários encontros, no dia 1º de maio de 1954. Inicialmente o espaço era simples, sem bar ou restaurante, e tinha como proposta apenas que os sócios-proprietários reunissem suas famílias no ambiente. Ao longo dos anos, a infraestrutura do clube se modernizou, inclusive sua área náutica.

Atualmente o clube conta com 600 sócios-proprietários e tem se reinventado com as mudanças ao longo dos anos, priorizando agora uma programação voltada para a família, como eventos com caráter esportivo, além de shows de grandes artistas.

Atual diretoria do Iate Clube de Fortaleza preza por eventos voltados para toda a família Fotos: Arquivo pessoal

No próximo dia 19 de maio, em comemoração ao aniversário de 65 anos, a diretoria do Iate, composta pelo comodoro Licínio Corrêa, vice-comodoro Chiquinho Aragão, vice-comodoro administrativo e financeiro Manoel Linhares e vice-comodoro esportivo Daniel Nottingham, organizou um almoço especial. Na ocasião terá música ao vivo, buffet especial, exposições de carros antigos, regatas náuticas e lançamento de uma edição comemorativa da revista do clube. O almoço é aberto ao público.

“Nós desempenhamos um trabalho bom, principalmente atualmente em que a nova diretoria vem conduzindo um trabalho mais esportivo e sociocultural. Os eventos que a gente tenta priorizar são os de significativa qualidade artística, como, por exemplo, shows de Ivan Lins e Toquinho”, disse Licínio, em entrevista ao site, destacando que o Iate tem semanalmente três atividades com música ao vivo: na quinta do caranguejo, durante o pôr do sol, no sábado, e os almoços especiais do domingo.

“A grande dificuldade hoje é a concorrência com os condomínios fechados, já que eles são praticamente um clube, com uma estrutura boa, com quadras esportivas, por exemplo. Antigamente quando se ia praticar qualquer modalidade marcava-se nos clubes sociais mais antigos, como Diários, Líbanos, Iracema, Plaza, Maguari, Regatas e tantos outros. Por isso é preciso que os clubes se reinventem, se modernizem, procurem se adaptar aos novo momento”, completa.

Questionado sobre o momento mais marcante que viveu no Iate Clube, Licínio destaca a criação da Semana do Mar, que objetiva discutir aspectos ambientais, científicos e de lazer na interação do ser humano com o mar. “O evento é todo voltado para rediscutir o mar nas suas mais diversas amplitudes: conservação, preservação, uso e viabilidade econômica. A Semana do Mar vai ser agora em junho esse ano e culmina com a Batalha do Riachuelo, mais precisamente no dia 11 de junho”.

Por fim, o comodoro destaca o maior desafio para manter um clube social nos tempos atuais. “Os clubes têm que ter uma alta capacidade de se adaptar e prezar pela convivência”, pontua. Licínio ainda reforça que os vários clubes que existem na Capital não concorrem entre si. “Dificilmente podemos copiar uns aos outros. As virtudes e as qualidades de cada um são bem diferentes”, conclui.

Vale destacar que no dia 12 de maio o Iate Clube também preparou um almoço especial para celebrar o Dia das Mães. São pratos elaborados especialmente para a data. O evento também é aberto ao público.