Nesta sexta-feira (09) Fortaleza recebe a 12ª edição do MaxiModa com o tema “Você está Inovando? Conheça os caminhos para comunicar, vender e se relacionar com os novos tempos”. Alexandra Farah abriu o evento falando sobre a importância da tecnologia para a sustentabilidade na indústria da moda. “A moda sempre foi inovação, porém, nos últimos anos, a preocupação com o impacto do homem sobre o planeta Terra começou a ganhar importância em todos os meios da sociedade, e a moda também precisa refletir sobre essa nova realidade”, apontou.

Farah é uma das maiores especialista em reunir moda e tecnologia no Brasil. Jornalista e curadora do Festival WeAr Brasil, ela abordou durante o encontro a importância de repensar a moda, de analisar o mundo e o impacto que essa indústria traz para a sociedade e para a natureza. Isso não apenas como empresa, mas também para os consumidores.

“Nós achávamos que a mãe Terra tinha um amor sem fim, sempre nos colocamos no centro, tirando tudo para o nosso próprio prazer e agora está vindo a conta”. A partir desse pensamento, ela defendeu a ideia da junção entre tecnologia e sustentabilidade para construir uma moda mais consciente.

A jornalista trouxe no próprio look, um dos exemplos. A jaqueta escolhida para utilizar no evento é feita de “couro” de maçã. “Precisamos sempre pensar em inovação pensando em tecnologia e sustentabilidade. Hoje em dia, precisamos pensar de uma forma multidisciplinar”, afirma.

A indústria da moda é uma das mais poluentes. O ciclo de fazer o produto, distribuir até chegar no consumidor e depois o que é feito com a roupa que não é mais utilizada gera gastos enormes de energia, água e outros fatores.

“Não é parar de comprar, mas pensar na construção do produto com base no que já está produzido. O Planeta Terra não suporta mais o ritmo da novidade”, declarou Alexandra, que também provocou o público do evento sobre o lixo produzido e a importância de saber reutilizar esse material.

Mesa-redonda

Após a palestra, o espaço foi aberto para perguntas do público, trazendo questionamentos sobre o tema. Além da presença da Alexandra Farrah, subiram no palco também a anfitriã Márcia Travessoni, Raquel Bastos, coordenadora dos cursos de moda da Pós-Unifor, e Jackson Araújo, que ajudou na mediação da mesa.

Esse momento abordou a importância da conscientização. Farah enfatizou que “o propósito é dar exemplo, mesmo que seja só nas pessoas mais próximas, aos filhos”. Raquel Bastos completou: “São as pequenas coisas. Pensar em novos produtos, reciclagem. Começa com você, dentro de casa mesmo”.

Márcia trouxe o questionamento também para quem faz a moda. “A nova geração de consumidores já mudou, é mais consciente. Agora é preciso cair a ficha da indústria. Não é deixar de produzir, é preciso alinhar. Pensar no Planeta”, afirma.

“A moda precisa de uma autoanálise. A transição é lenta, mas precisamos nos colocar nesse papel”, completa Jackson.

Fotos: Eri Nunes