Uma pesquisa do Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação revelou que o acesso à internet já é realidade na vida de professores e alunos. O dado mais recente, de 2017, mostra que 69% das escolas da rede privada utilizam o celular para aprendizagem. Entre os professores, 60% incentivam o uso das tecnologias em sala de aula.

“Os nossos alunos são nativos digitais, já nasceram com essa tecnologia pronta e é algo natural para eles. Então a aula não pode mais ter aquele caráter puramente expositivo dos conceitos. Ela tem que ter um caráter de dinamismo“, conta Leandro Herston, professor e chefe do departamento de física do Colégio Ari de Sá Colégio Ari de Sá. “Quer dizer que a tecnologia veio para romper com tudo o que a gente estava ensinando? Não, ela veio para melhorar tudo o que ensinamos”.

O Colégio Ari de Sá sempre investiu em tecnologia por acreditar em uma formação global dos alunos, onde os mesmos se tornam protagonistas do conhecimento. “O aluno vai aprender a aprender. O professor deixa de ser o que detém todo o conhecimento, e passa simplesmente a incentivar o aluno a buscá-lo”, explica o educador.

>> LEIA TAMBÉM: Leitura para o Desenvolvimento – Biblioteca infantil do Colégio de Sá é destaque pelos projetos especiais

No final de 2017, com a aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a educação infantil e ensino fundamental (ainda pendente para o ensino médio), documento normativo que define as aprendizagens essenciais de todos as escolas públicas e privadas do País, se tornou prioridade integrar mais o conteúdo teórico à cultura digital.

É o que explica Telma Nobre, coordenadora de tecnologia educacional do Colégio Ari de Sá. “A BNCC cobra muito a cultura digital, então cada vez mais existe o incentivo de utilização, tanto para nós profissionais da tecnologia, como também para os professores em sala de aula que precisam estar atualizados e inseridos no meio tecnológico”.

Por isso, o Colégio Ari de Sá acredita na aplicação diferenciada das ferramentas digitais. Todas as salas são equipadas com Wi-Fi, computador, projetor de mídia e um sistema de som. Os celulares, por exemplo, são complementares às avaliações. Lives, como são conhecidas as transmissões de vídeo ao vivo pelo Instagram, são agendadas pelos professores para revisar conteúdos, e exercícios são filmados e compartilhados nas redes sociais.

Através de um QR Code, estudante diagnostica doenças causadas por vírus na aula de Biologia

“Ao invés de o aluno decorar o que é um fenômeno físico, eu peço para ele gravar esse fenômeno no cotidiano dele e postar no Instagram. É a mesma aula que você está dando, mas ao utilizar uma ferramenta digital, você se comunica na linguagem deles, e as atividades se tornam muito mais atrativas”, exemplifica Leandro, citando que jogos como o Minecraft também são bastante populares nas aulas.

Alunos aprendem sobre a Pré História jogando Minecraft

A tecnologia também auxilia os professores a mensurar o aprendizado dos estudantes, através de plataformas como o Kahoot!, baseado em jogos, e o Super Professor, gerenciador de questões. “Posso gerar questionários onde é possível perceber qual o conhecimento prévio que o meu aluno traz para a sala de aula e posso gerar um questionário após a aula, onde detecto como ele entrou e saiu da minha aula”, complementa o professor de física.

Na aula de matemática, professores usam a plataforma Kahoot!, baseada em jogos, para fixar o conteúdo

O objetivo da escola é investir cada vez mais em tecnologia. O próximo passo será o uso de óculos 3D que irão proporcionar uma experiência imersiva nas aulas e, recentemente, foi inaugurado um laboratório de robótica educacional.

Imersão na pesquisa

Muito mais que um ambiente de pesquisa, os laboratórios de informática do Colégio Ari de Sá se propõem a ser um espaço de descobertas. Em cada unidade da escola, os alunos têm à disposição dois laboratórios para aulas e pesquisas on-line.

“A gente até incentiva que os pais venham acompanhar”, conta Telma. De acordo com a coordenadora de tecnologia educacional da escola, a companhia dos pais nesse momento de estudo dá mais conforto e segurança aos alunos.

O espaço ainda recebe o projeto Na Prática, uma série de aulas de capacitação voltadas para os professores e também para os alunos, onde eles podem aprender a editar vídeos ou a fazer uma apresentação de slides, por exemplo. 

Plataforma SAS

O SAS é um dos principais impulsionadores de tecnologia do Colégio de Ari de Sá. Criada em 2004, a plataforma de educação desenvolve conteúdo, tecnologia e serviços de excelência para a instituição de ensino, incluindo material didático e uma plataforma digital de videoaulas e atividades que pode ser acessada pelos alunos a qualquer hora.

“Na plataforma, tem o Tarefa Online, com exercícios interativos que permitem ao professor ter um feedback do desempenho do aluno”, cita Telma.

Aluno faz atividade através do Tarefa Online

Anualmente, o SAS revisa os conteúdos didáticos e, no dia-a-dia, colhe feedback das escolas, o que permite uma constante atualização do material.

Fotos: Divulgação