logo

Ricardo Bacelar lança quarto álbum solo com repertório de música brasileira e jazz

Por Redação
Ricardo Bacelar lança quarto álbum solo com repertório de música brasileira e jazz
Repertório é um recorte de discos anteriores, em versão ao vivo. Traz uma composição de Ricardo Bacelar e Cesar Lemos, e de grandes autores. (Foto: Vinicius Giffone)

O pianista, compositor e arranjador brasileiro Ricardo Bacelar lança o quarto álbum solo, intitulado “Ricardo Bacelar – Ao Vivo no Rio”, nesta sexta (24), com repertório de música brasileira e jazz. O álbum foi gravado em maio de 2018, no Rio de Janeiro, em um concerto no Blue Note Rio, durante a tour do mais recente trabalho do pianista, “Sebastiana”.

Também no dia 24 de julho, Ricardo Bacelar inicia a estreia de uma série de sete vídeos que serão apresentados semanalmente, todas as quintas-feiras, em seu canal oficial no YouTube. O primeiro vídeo a ser apresentado é o de “Toda menina baiana”. Em seguida vem “Killer Joe”, “Nanã”, “Señor Blues”, “Partido alto, “Blue Miles”, e “Água de beber”.

LEIA MAIS >> ‘A música é terapia e lazer’, diz Ricardo Bacelar em live musical com filhas

Ricardo Bacelar e João Carlos Martins encantam o público na Tapera das Artes

Para Ricardo Bacelar, que assina a produção do álbum, o momento de isolamento social vem acompanhado de múltiplas experiências. “A música é veículo fundamental de percepção, conexão e construção de perspectivas que trazem significados aos acontecimentos, nos planos pessoal, espiritual e emocional. Sem a arte e a abstração, a vida não faz sentido”, explica.

O repertório é um recorte de discos anteriores, em versão ao vivo. Traz uma composição de Ricardo Bacelar e Cesar Lemos, “Sernambetiba 1992”, e grandes autores: Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Heitor Villa-Lobos, Pat Metheny, Chick Corea, Horace Silver, Gilberto Gil, Moacir Santos, Flora Purim, Benny Golson e outros.

Tendência

Valorizar os signos da música brasileira com acento jazzístico tem sido tendência nos trabalhos de Ricardo Bacelar, que tem levado para o mercado internacional a sonoridade do Brasil, misturada à improvisação do jazz e à música instrumental. Seu álbum anterior, “Sebastiana”, esteve entre os 50 discos mais executados nas rádios de jazz norte-americanas, em um período de 2018, segundo o ranking do Jazz Chart.

Veja também