Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Além do entretenimento: veja indicações de produções sobre a pauta negra

23 nov 2021 | Entretenimento

Por Redação

Por meio da arte, autores e diretores abordam a temática e visibilizam a luta contra o racismo

Filme “12 anos de Escravidão” (Foto: Reprodução/Internet)

No mês em que se celebra a Consciência Negra, as atenções de todos os âmbitos da sociedade estão voltadas para a importância da pauta, que discute temas relevantes na vida de quem enfrenta diariamente problemas referentes ao racismo.

LEIA MAIS >> Prefeitura de Fortaleza realiza programação especial na Rua dos Tabajaras

Natal 2021: principais tendências para a decoração

A data é marcada no dia 20 de novembro, em razão da morte de Zumbi dos Palmares, que defendeu por anos o Quilombo de Palmares contra expedições que pretendiam escravizar novamente os negros que conseguiam fugir do senhores.

Apesar da data só ter sido instituída nacionalmente em 2003, estados como Bahia e Rio Grande do Sul já celebravam o período para refletir sobre o espaço do negro na sociedade e as lutas diárias contra o racismo.

No campo da cultura e do entretenimento, a luta por mais espaço dos autores e artistas negros segue em alta. Mesmo com os avanços após os protestos realizados no Oscar de 2015, o mercado cinematográfico permanece desigual e, relação a participação dos negros nas produções.

Pensando nisso, resolvemos indicar produções na área de livros e audiovisual, para que a discussão sobre o tema ganhe mais visibilidade e não fique restrita ao dia 20 de novembro.

LIVROS

Eu sei por que o pássaro canta na gaiola – Maya Angelou

O livro reformula os pressupostos autobiográficos e produz uma narrativa que toca quem lê de diversas formas. Conduzidos por Maya Angelou, acompanhamos a infância e juventude da autora, que passou pelo período de segregação racial dos Estados Unidos, no início do século XX. A impressão que o livro passa é que a autora pega em nossa mão, e nos convida a entrar em sua casa, nos apresentando o seu despertar como mulher consciente de sua humanidade.

Mulheres, raça e classe – Angela Davis

Mulheres, raça e classe, de Angela Davis, é uma obra necessária para se entender as nuances das opressões. O livro, que começa tratando sobre a escravidão e seus efeitos, da forma pela qual a mulher negra foi desumanizada, nos dá a proporção de se pensar em um projeto de nação que desconsidere a centralidade da questão racial, já que as  sociedades escravocratas foram fundadas no racismo. 

Americanah – Chimamanda Ngozi Adichie

O livro de uma das maiores autoras negras da atualidade conta uma história que se passa em Lagos, durante os anos 90. Na história, enquanto Ifemelu e Obinze vivem o sentimento do primeiro amor, a Nigéria enfrenta tempos sombrios sob um governo militar. Na busca de alternativas às universidades nacionais, a jovem Ifemelu decide se mudar para os Estados Unidos. Ao mesmo passo em que se destaca no meio acadêmico, a protagonista se depara pela primeira vez com a questão racial e com as dificuldades da vida de imigrante, mulher e negra. Após quinze anos, Ifemelu tornou-se uma blogueira aclamada nos Estados Unidos, mas o tempo e o sucesso não atenuaram o apego à sua terra natal, nem anularam sua ligação com Obinze. Com seu retorno à Nigéria, a personagem terá de encontrar seu lugar num país muito diferente do que deixou e na vida de seu companheiro de adolescência.

Memórias da plantação – Grada Kilomba

Memórias da plantação é um compilado de episódios de racismo que acontecem no cotidiano, escritos sob a perspectiva de pequenas histórias psicanalíticas. O livro aborda diversos temas, das políticas de espaço e exclusão às políticas de cabelo e corpo à insultos raciais. 

A obra interdisciplinar, que combina teoria pós-colonial, estudos de branquitude, psicanálise, estudos de gênero, feminismo negro e narrativa poética, refletindo de forma essencial e inovadora para práticas descoloniais.

FILMES

O Silêncio da Chuva – Disponível no Globoplay, Google Play, Apple TV, YouTube e Now

O filme narra a saga do delegado Espinosa, interpretado pelo ator Lázaro Ramos, e da investigadora Daia, interpretada por Thalita Carauta, na busca por solucionar um mistério que envolve a morte do executivo Ricardo, Guilherme Fontes, que tem seu corpo encontrado baleado sentado ao volante de seu carro, no bairro da Urca, na cidade do Rio de Janeiro. 

O longa-metragem, que é dirigido por Daniel Filho, começa a se complicar quando outro assassinato ocorre, e as pessoas envolvidas no caso começam a sumir. O filme é inspirado no primeiro romance policial do escritor Luiz Alfredo Garcia-Roza.

12 Anos de Escravidão – Disponível no Star+

Em 1841, Solomon Northup, cidadão de NY, livre e bem-sucedido, é raptado e vendido como escravo. Tendo sua identidade e dignidade arrancas abruptamente, o protagonista é comprado pelo impiedoso proprietário Edwin Epps, e precisa encontrar forças internas para sobreviver e superar as dificuldades impostas na nova vida.

Histórias Cruzadas – Disponível no Star+

O filme conta a história de Skeeter, que é uma garota da sociedade que retorna determinada a se tornar escritora. Com essa decisão, ela começa a entrevistar as mulheres negras da cidade, que deixam suas vidas e suas famílias para trabalhar na criação dos filhos da elite branca, a qual a própria Skeeter integra.

Cabeça de Nêgo – Disponível no Globoplay

A obra, que é aclamada pelo público e pela crítica, o filme de origem cearense traz sem sua narrativa um manifesto contra o racismo e a precariedade do sistema educacional brasileiro. O roteiro e direção ficam por conta de Déo Cardoso, que conta a história a partir da ocupação das escolas, que ocorreu em São Paulo, no ano de 2015.

Cabeça de Nêgo conta a história de Saulo, um jovem engajado em impor mudanças na escola em que estuda, e têm influência dos Panteras Negras (partido político dos Estados Unidos que defendia a comunidade afro-americana). No longa, após ser alvo de racismo e reagir ao insulto, ele se recusa a deixar as dependências do colégio e gera uma mobilização coletiva em torno da pauta.

SÉRIES

Colin em preto e branco – Disponível na Netflix

Ex-quarterback dos San Francisco 49ers, que foi afastado em 2017 pela NFL, liga de futebol americano, Colin Kaepernick relata sobre sua juventude através da janela da questão racial. O atleta se tornou um dos grandes esportistas engajados na luta contra o racismo. 

Durante um jogo, no momento do hino nacional dos Estados Unidos, Colin se ajoelhou em um ato de protesto ao assassinato de jovens negros pela polícia, e foi muito criticado pela atitude. Após essa manifestação antirracista, ele não recebeu mais chances na liga norte-americana de futebol americano.

Quem matou Malcolm X? – Disponível na Netflix

O assassinato brutal de Malcolm X, em 1965, que era ativista da população negra dos EUA e lider religioso islâmico, ainda é coberto por incertezas. Mesmo após 50 anos do ocorrido, um admirador das ideias revolucionárias busca aprofundar uma investigação paralela a fim de descobrir os detalhes do crime. A obra é uma série documental, que relata a história.

Guerras do Brasil.doc – Disponível na Netflix

Mais uma do gênero documental, Guerras do Brasil.doc aborda os principais conflitos armados ocorridos no Brasil. Dentre eles, são abordados o extermínio da população indígena no chamado “descobrimento”, a Guerra do Paraguai e a “Revolução de 1930”, eventos que marcaram a história do nosso país.

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE