Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Mumutante: artista cearense usa memórias da Sabiaguaba para fazer música preta

30 jun 2021 | Entretenimento

Por Tainã Maciel

Natural de Sabiaguaba, Mumutante passeia por diversos estilos musicais, como lo-fi, brega funk e eletrônico (Foto: Camila Lima)

Era mês de junho na Sabiaguaba. O bairro de Fortaleza conhecido pela tranquilidade de quem guarda imensa riqueza natural, entre dunas e mangues, era inundado pelas festas em homenagem aos santos católicos. Aos olhos da pequena Muriel Cruz Phelipe, todas as cores, danças e sonoridades do evento eram chaves para outro mundo. Nasce Mumutante. Hoje, a jovem de 21 anos é nova aposta da música local ao mesclar com originalidade estilos, como lo-fi, brega funk e eletrônico. Segundo a artista, ao cantar sobre as próprias vivências, ela viaja para outros lugares onde sua travestilidade permite.

LEIA MAIS >> Pabllo Vittar lança álbum ‘Batidão Tropical’ com regravações icônicas; ouça as músicas originais

BET Awards 2021: os looks mais icônicos da premiação que celebra personalidades negras

A crescente da cantora no cenário artístico local já é palpável. No início de 2021, o single intitulado “Formatei-me”, produção de Mumu com o beatmaker Emiciomar, surgiu no topo das músicas mais escutadas pelos estudantes da Universidade Federal do Ceará (UFC), segundo métricas do Spotify. A ferramenta Every School at Once reúne as preferências dos usuários que assinam o streaming pelo plano universitário.

Mumutante é uma artista independente da Sabiaguaba (Foto: Camila Lima)

Raízes

Brincante da quadrilha Flor da Bela desde criança, Mumutante viu nos festejos juninos a oportunidade de expressar a criatividade. “Aos 14 anos, eu já escrevia os casamentos da quadrilha. Também participava dos atos natalinos que aconteciam na região”, lembra. E por falar em ritos religiosos, o apreço pela música também nasceu desse meio. “Eu cantava na igreja e muita gente elogiava. Falavam para eu ir buscar mais. Procurei estudar música sozinha, treinando e assistindo videoaula. Nunca tive aula de canto”, comenta.

Colhendo os primeiros louros pelo trabalho, Mumu relembrou como tudo começou e falou sobre as inspirações artísticas em entrevista ao Site MT (Foto: Camila Lima)
Quando questionada sobre o estilo de som que produz, ela enfatiza: “Identifico minha música, como música preta”. (Foto: Camila Lima)

Foi em 2017 que a arte se transformou em profissão para Mumu, quando ela ingressou no Curso de Princípios Básicos de Teatro da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), realizado por meio do Theatro José de Alencar. “Comecei a ter uma exposição maior e passei a ser mais vista. Começaram a me dar muita oportunidade e fui desenvolvendo esse amor com uma seriedade maior”.

Além da música e do teatro, hoje ela passeia por outras linguagens, como a palhaçaria, a dança, a fotografia e o audiovisual. No currículo, Mumutante já acumula formações no Curso de Iniciação em Dança Contemporânea (CIDC), também da Secult, e no Ateliê de Circo do Centro Cultural Bom Jardim (CCBJ), com o número de palhaçaria “Divassoura Broom”.

Mumu também trabalha como modelo (Foto: Camila Lima)

Inspirações musicais

Com toda essa carga cultural, em 2020, nasceu o primeiro ep de Mumu chamado “Mergulho“. A produção trouxe ao mundo as faixas “Baculejo”, “Maresia” e “Bombardeio”, guiadas pelas vivências da cantora na Sabiaguaba. “Esse local me traz muitas lembranças e a minha avó também me inspira muito”. No ano passado, ela também lançou o single “Formatei-me” que figura como a música com mais streamings no Spotify entre as composições autorais da cearense.

Capa do ep “Mergulho” (Foto: Divulgação)

Nas criações musicais, a cantora se diverte ao mixar brega funk, rap, lo-fi, eletrônico, além de samba e R&B. Quando questionada sobre o estilo de som que produz, ela enfatiza: “Identifico minha música, como música preta“. Não é à toa que um dos principais ícones para Mumu é ninguém menos que Elza Soares. “No cenário nacional, eu admiro muito a Ventura Profana, Jup do Bairro e Liniker, que são outras gatas trans incríveis”, completa.

Foto: Camila Lima

“Aqui em Fortaleza, são inspirações para mim a Yara Canta, o Mateus Fazeno Rock, a Má Dame, a Jeffe, a Angel History e o Emiciomar, que é um dos meus maiores matchs musicais. É muito incrível conversar com pessoas que você admira e troca ideia”, comenta.

E vem trabalho novo por aí, viu? No dia 5 de julho, será lançada em todas as plataformas digitais a música “Vai Dá Bom”, trabalho de Emiciomar em parceria com Mumu. Confira as músicas da cantora acessando o Spotify e o canal da artista no Youtube.

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE