O livro pode ser uma fonte inesgotável de conhecimento, transportando os leitores para os lugares mais espetaculares da imaginação humana, além de informar e ajudar a diversificar o vocabulário das pessoas. Os livros surgiram há centenas de anos e, desde então, continuam maravilhando as gerações com contos fantásticos e registrando os principais acontecimentos da história da humanidade.

Nesse 29 de outubro é comemorado no Brasil o Dia Nacional do Livro e aproveitamos a data para conversar com algumas personas cearenses sobre seus títulos preferidos. Romances, aventuras, fantasias e retratos poderosos do cotidiano estão entre as escolhas. Confira.

Raquel Machado é uma adoradora dos livros, desde suas palavras até o seu perfume inconfundível. “Leio para adquirir bagagem estética sobre a linguagem, mas sobretudo para conhecer o humano”, revela.

21 Lições para o Século XXI, de Yuval Noah Harari

“Um livro essencial para entender o mundo contemporâneo”.

Memórias de Uma Moça Bem-Comportada, de Simone de Beauvoir

“Um livro sobre fortalecer a alma com conteúdo, para enfrentar a vida”.

O arquiteto Marcus Novais utiliza a força criativa dos livros para aguçar as inspirações para a vida e para o trabalho. “Adoro livros onde a ficção e a criatividade do autor se desenvolve contextualizado sobre um pano de fundo histórico. Dessa forma exercitamos mais o imaginário , passeamos com mais liberdade de imaginar, com uma compreensão maior e entendimento de uma época, das circunstâncias , do tempo…”, afirma.

Os Fantasmas de Goya, de Jean-Claude Carrière e Milos Forman

“Um enredo sobre a vida do grande pintor espanhol em meio as reviravoltas da história”.

As Cidades Invisíveis, de Italo Calvino

“O viajante Marco Polo, a pedido do imperador Kublai Khan realiza uma viagem de anos para relatar as terras do seu domínio e na realidade descreve cidades imaginárias para o imperador”.

Roberta Quaranta aproveita o momento conturbado da política atual para indicar um livro muito relevante para o conhecimento da nossa história. “Esse livro é sensacional e mudou minha visão acerca das várias nuances que circundam nossa democracia tupiniquim”.

Cidadania no Brasil: O Longo Caminho, José Murilo de Carvalho

“O historiador José Murilo de Carvalho me fez enxergar as distorções da implantação desse sistema político no país e concluir que, no fundo, o Brasil está longe de atingir padrões aceitáveis e razoáveis de democratização, seja por problemas como a desigualdade social e a baixa escolaridade – o que impede o exercício pleno e consciente dos direitos políticos por parte da maioria dos brasileiros; seja porque, dentro do contexto de um Estado paternalista, a eterna busca por um novo messias na política enfraqueceu a consciência do povo, evitando uma luta eficaz pela consolidação de direitos. Um mergulho na história e uma grande reflexão para o futuro. Recomendo!”.