O fim de semana chegando e aquela constante dúvida… Que restaurante novo conhecer? Qual cafeteria vai fazer a sua cabeça? Quem é aficionado por comida, está sempre procurando referências de lugares para visitar e receitas diferentes para provar. Do pratinho de creme de galinha do ponto na esquina de casa àquele restaurante gourmetizado na área nobre da cidade, o que não faltam são opções em Fortaleza.

Porém, em tempos de hiperconectividade, é cada vez mais comum que as pessoas recorram às redes sociais para conhecer o point gastronômico do momento. Cresce também, cada vez mais, o número de perfis, principalmente no Instagram, de foodies e influencers dedicados exclusivamente a degustar e indicar os melhores pratos. Além de um prazer e uma profissão, o hábito é uma forte ferramenta de marketing.

Espera… mas o que são foodies? A partir do lançamento da obra The Official Foodie Handbook“, em 1984, os criadores da expressão Paul Levy e Ann Barr definem-na como um termo informal para classificar um grupo de aficionados por comida e bebidas, que apostam na degustação real dos ingredientes, sejam eles gourmet ou não.

Izakeline Ribeiro, do @saboresdacidade

A jornalista Izakeline Ribeiro, criadora do blog Sabores da Cidade e do perfil @saboresdacidade, com 58,6 mil seguidores, conta que o interesse em atuar na área surgiu despretensiosamente. “Foi mais pela necessidade de ter mais espaço para escrever sobre algo que eu gostava que era a gastronomia”.

Após ser editora do caderno de gastronomia de um jornal da cidade, ela resolveu tornar o blog uma profissão. “De blog com dicas de restaurantes transformou-se numa plataforma de conteúdo gastronômico”. Além das dicas, o ambiente virtual conta com séries temáticas, como o “Sabores na sua casa”, onde Izakeline cozinha na casa de um leitor, e o “Do Produtor à mesa”, onde ela passa por cidades do Ceará, mostrando o caminho feito do ingrediente ao restaurante”, detalha.

Já a influencer e modelo Ana Gregory, que administra junto com o estudante de direito Juvêncio Viana, o perfil @foodpelomundo, revela que o que incentivou o casal a investir na área foi a oportunidade de juntar a paixão por viagens com a gastronomia. “Nós sempre gostamos muito de sair pra comer e viajar. Procuramos sempre conhecer lugares novos e conhecer novos pratos, acabou que virou uma rotina e ficamos encantados com a gastronomia”.

Juvêncio Viana e Ana Gregory, do @foodpelomundo

Criado no final de agosto, o @foodpelomundo já conta quase 3 mil seguidores e tem a proposta de oferecer dicas gastronômicas em estabelecimentos do Ceará e do mundo. Juntos, eles já comeram em cidades como Guaramiranga, Paris, Miami e Rio.

Mais recente ainda nas redes sociais, o @foodplacebr foi criado em setembro por Marília Venâncio e David Ferreira Lima. Acostumados a compartilhar em seus perfis pessoais os lugares gastronômicos favoritos, eles tiveram a ideia de acumular todo esse conteúdo em um só espaço. “Aí surgiu a ideia de colocar em prática as nossas dicas de lugares que valem a pena conhecer e as nossas sugestões do que pedir nesses lugares”, revela Marília.

David Ferreira Lima e Marília Venâncio, do @foodplacebr

Hiperconectados

“O meu trabalho só existe hoje devido às redes sociais”, declara o foodie Luiz Victor Torres, um dos maiores influencers gastrômicos de Fortaleza. Com 38 mil seguidores no Instagram, LV, como é mais conhecido, conta que as redes sociais foram cruciais para ele. “Fez com que eu tivesse voz, me deu oportunidade de me comunicar, e expor minha mentalidade, meu modo de ser, de viver, de comer, pro máximo de pessoas possíveis”.

“Para quem trabalhar com a gastronomia, é melhor ainda. Porque a comida é muito do visual. Não só o paladar, mas o visual. Hoje em dia, as pessoas comem com os olhos. Na hora que a gente bota na internet uma foto incrível, as pessoas ficam “babando”, ficam loucas, e vão lá [no estabelecimento] para comer”, explica o cearense.

LV divulga suas comidas prediletas no Instagram

“As redes sociais são nosso primeiro contato com os leitores. É onde podem acompanhar de perto o que estamos produzindo e depois conferir o resultado final. É fundamental essa oportunidade de estar mais perto”, conta Izakeline Ribeiro, expressando uma opinião que é unânime entre os aficionados por comida que trabalham na área.

A interatividade na web é um diferencial para quem fala sobre o assunto. Envolve e aproxima o seguidor do conteúdo. “Gostamos de ir além e tentamos viabilizar momentos em que os leitores e seguidores também participem de experiências junto com a gente”, aponta.

A facilidade de acesso nas redes sociais é outro fator importante. “Podemos transmitir experiências e dicas bem específicas do que é oferecido em diversos lugares, e as pessoas podem acessar a esse conteúdo facilmente!”, conta Marília Venâncio. “Uma divulgação pela internet se tornou algo mais barato, conseguindo alcançar um grande número de pessoas rapidamente. Então para quem é aficionado por comida e trabalha com isso não será diferente”, complementa Ana Gregory.

Prazer x Negócios
Boa parte dos foodies e influencers gastronômicos divulgam pratos e estabelecimentos que conhecem por acaso ou por influência de conhecidos. De vez em quando, porém, o hobby se transforma em conteúdo publicitário, através de parcerias com estabelecimentos locais.

Izakeline Ribeiro revela um pouco como funciona o processo no Sabores da Cidade. “A ideia é ir, provar, fotografar, pagar e ir embora. Se a experiência foi boa, a gente compartilha. Vira matéria no site, postagens e se, a gente gostar muito, até gravamos para o canal do youtube. Se não gostarmos, não publicamos e contamos só se alguém perguntar. Com marcas, que não são restaurantes, a gente cria conteúdos específicos, monta projetos e busca apoio para a execução“.

Para LV, a relação com as marcas e estabelecimentos é de puro business. Tanto que o foodie conta com uma equipe de assessoria e é bastante criterioso ao fechar parcerias. “Só fecho parceria com empresas que eu já tenha ido, ou então se nunca fui, eu vou experimentar antes [de assinar o contrato]”, revela. Afinal de contas, LV acredita que é importante haver identificação real com o produto, porque se não, não vale a pena investir.

Já Marília Venâncio diz que curtir o prato é de suma importância para divulgar nas redes sociais. “Sempre fazemos questão de indicar e dar dicas sobre o que realmente gostamos, então preferimos escolher a dedo mesmo nossas postagens. Mas lógico, existem sim alguns estabelecimentos que nos contatam, e também expressamos nossa opinião!”.

Quer ser um influencer gastronômico?
Perguntamos aos entrevistados qual dica elas dariam para quem curte comer e quer trabalhar na área. Confere:

Luiz Victor Torres – @luizvictortorres

O influencer dá três dicas: Tenha conteúdo, respeite os processos e valorize o seu trabalho. Primeiro é preciso saber do que você está falando, o que está comendo e a história daquele alimento e de quem o produziu. Em segundo lugar, é necessário entender que o caminho para o reconhecimento é longo e as empresas devem respeitar o trabalho do influencer como uma profissão. Por último, é preciso estar comprometido com a sua identidade e seus princípios, principalmente na hora de fechar parceria com uma marca ou estabelecimento. 

Marília Venâncio – @foodplacebr

“Paciência! Normalmente sempre precisamos tirar um tempinho do dia para parar, analisar e gerar conteúdos para fazer as postagens e ficar atualizando! E além de passar por todo um processo de conseguir ir aos poucos descobrindo seu público, os melhores horários de postagem, que tipos de postagem… Tudo isso e várias outras coisas que estão por trás de uma página organizada”

Izakeline Ribeiro – @saboresdacidade

“São duas dicas fundamentais: estudar sobre o tema e persistência para fazer um trabalho sério”

Ana Gregory – @foodpelomundo

“Postar fotos que mostrem detalhes e que chamem atenção, que consiga deixar quem está vendo com água na boca. E dar dicas verdadeiras sobre o que achou de cada lugar/comida, para assim ganhar credibilidade”

Fotos: Reprodução/Instagram – Divulgação