Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site!

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Quem é a carioca que inspirou a grade GG da Farm

7 mar 2021 | moda

Por Jacqueline Nóbrega

Marca brasileira que tem a bossa carioca e o mood fresh entre as assinaturas, a Farm é conhecida, por algumas mulheres, sob outro aspecto: roupas em tamanhos que não se ajustam no corpo de muitas brasileiras. Em agosto de 2020, a brand passou a investir em tamanhos maiores, fazendo peças no tamanho GG que vestem até o manequim 54. O que muita gente não sabe é que uma carioca teve parte da responsabilidade nisso: Mariana Rodrigues, que chamou a atenção da Farm com o perfil no Instagram @adoroaquelamari.

LEIA MAIS >> Conheça Kayla Oliveira, modelo trans cearense recém-contratada pela JOY

Designer cearense conta como é trabalhar na Farm e fala sobre a importância de construir networking

A criadora de conteúdo digital mostrava, na rede social, quais peças da grife vestiam manequins maiores, antes mesmo do GG ser incluído na grade. Algum tempo depois, ela foi convidada para trabalhar na Farm, n setor de modelagem, e hoje atua como jornalista de comunicação offline na empresa.

“Fazia alguns relatórios para mostrar as peças que clientes acima do manequim 44 mais vestiam, até que comecei a fazer apostas das peças que deveriam chegar no tamanho GG. Como hoje a proposta é que a Farm tenha sempre o maior número possível de peças GG, o planejamento já anda sozinho nessa missão”, contou Mariana ao Site MT.

A criadora de conteúdo digital mostrava, na rede social, quais peças da grife vestiam manequins maiores, antes mesmo do GG ser incluído na grade. (Foto: Reprodução/ Instagram)

Mariana não acha justo dizer que foi sozinha a responsável pela inserção dos tamanhos maiores. “Acredito que eu consegui virar essa chave em diversos departamentos, que compraram a ideia e se empenharam pra que a mudança na grade fosse um sucesso. A equipe de estilo foi super importante nesse processo! Mas claro que me orgulho muito de ter trazido uma atenção especial pra mulheres que vestem tamanhos maiores”, defende.

Desde o lançamento do GG na FARM, a marca capturou mais de 10 mil novas clientes, que responderam por 30% do resultado da linha, mostrando o poder do GG não apenas de atrair um novo público, mas também de fidelizar clientes da marca e reativar antigas clientes. Hoje, as compradoras do GG já são 5% da base total da marca e a aposta é que a graduação pode ir mais longe.

Na coleção atual da marca, “Refloresta”, 56% das peças chegaram no tamanho GG, e a expectativa é que essa proporção aumente nos próximos lançamentos. As peças, inclusive, esgotam mais rápido, o que para Mariana Rodrigues reforça o sucesso. “O giro dele muitas vezes acaba sendo mais rápido que o dos tamanhos considerados regulares, o que mostra uma excelente aceitação do público”.

Para que desse certo ampliar a grade, a mudança interna na empresa foi primeiro passo. “Desde 2019 a Farm vem colocando modelos com corpos variados nos lookbooks e nas peças de e-commerce, e agora, apostar no time com ‘modelos reais’ foi uma grande sacada pra que cada vez mais pessoas se identifiquem com o que vêem na nossa comunicação”, explica Mariana.

Espaço de representatividade

O Instagram de Mariana continua ativo e, segundo ela, virou espaço de representatividade. Hoje ela tem uma assistente para dar conta do perfil e de cinco grupos de WhatsApp – quase lotados – com clientes que vestem do 44 ao 56. Ninguém fica sem retorno se tiver dúvida sobre uma peça. “Elas mandam fotos contando sobre o que rolou e o que não rolou nas peças que compraram/experimentaram”, conta.

Todos os funcionários do Grupo Soma – no qual a Farm está inserida junto de marcas como NV, Animale e Cris Barros – podem ter um código de vendedor online, e as vendas efetuadas com esses códigos são revertidas em comissões. Com o Instagram como aliado, Mariana já vendeu R$ 249 mil em peças, segundo revelou em entrevista ao UOL.

Com o Instagram como aliado, Mariana já vendeu R$ 249 mil em peças, segundo revelou em entrevista ao UOL. (Foto: Reprodução/ Instagram)

“Acabei usando o perfil @adoroaquelamari como uma espécie de provador, pra que várias mulheres saibam como as peças vendem, e se sintam mais confiantes pra comprarem no site – usando meu código, claro. Com as criações dos grupos de WhatsApp, acabei formando uma cartela de clientes super fieis, que me possibilita estar sempre no ranking de melhores performances de venda online entre os funcionários”.

VEJA TAMBÉM

PUBLICIDADE