Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

[email protected]
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Publieditorial

Bruxismo e ansiedade: qual a relação e como tratar o problema

7 jun 2022 | Notícias

Por Redação

O ortodontista Gilvan Bezerra lista as consequências do movimento de apertar e ranger os dentes e passa orientações de como resolver o problema

De acordo como ortodontista Gilvan Bezerra, os principais sinais de bruxismo são desgaste dentário e dores no maxilar. (Foto: Divulgação)

Rotinas aceleradas, sobrecarga no trabalho, tarefas domésticas, problemas familiares – os fatores que geram ansiedade são diversos, assim como os problemas, decorrentes dessa condição, que o nosso corpo pode apresentar. Um deles é o bruxismo, ato de apertar e ranger os dentes que pode levar desde o desgaste dentário a fortes dores na face e região da cabeça, e até mesmo a perda e quebra dos dentes.

LEIA MAIS >> Dr. Gilvan Bezerra explica o diferencial das lentes de contatos dentais feitas artesanalmente

Hidralips: tudo sobre o tratamento que promove hidratação profunda nos lábios

“Quando a mente fica muito acelerada, isso se reflete nos dentes, porque toda a enervação dos maxilares é muito próxima da cabeça, a ligação dos dentes com o pensamento é muito direta”, esclarece o ortodontista Gilvan Bezerra. Segundo ele, o pensamento acelerado nos leva a exercitar os músculos da face de forma intensa, desencadeando o apertamento dos dentes.

“É um movimento inconsciente, que pode acontecer durante o dia ou à noite. De dia, você às vezes se dá conta e para, por isso chamamos de apertamento dentário. Quando acontece à noite, chamamos de bruxismo”, acrescenta o profissional.

Dentre os principais sinais deste problema, o Dr. Gilvan cita a sensibilidade dos dentes ou mesmo a quebra deles, causada pelo desgaste; e dores ou sensação de fadiga no maxilar ao acordar. “Quando você vai apertando, vai desgastando a estrutura, tirando o esmalte e chegando na dentina, que é a camada mais sensível do dente. Muitas vezes, o dente começa a quebrar e, ao longo dos anos, o paciente pode perder todos eles”, detalha.

Avaliando a mordida

O diagnóstico inicia com uma avaliação focada no posicionamento dos dentes. “Quando eles estão com o posicionamento ideal, o paciente morde nos pontos corretos e os dentes ficam encaixados. Então, ele vai somente apertar os dentes, pressionado um sobre o outro. Mas quando os dentes não têm a oclusão correta, eles ficam procurando o encaixe e um dente começa a raspar no outro, no movimento lateral e para frente e para trás”, diferencia o especialista, alertando que nos casos em que os dentes não estão bem posicionados, o desgaste causado pelo bruxismo é bem maior.

O tratamento mais comum para o bruxismo e o apertamento dentário é o uso das placas miorrelaxantes, feitas de acrílico, sob medida, para serem usadas nos momentos em que o paciente identifica o movimento de apertar – seja enquanto dorme ou durante o dia, na prática de exercícios físicos, por exemplo.

O diagnóstico de bruxismo – ou apertamento dos dentes – inicia com uma avaliação focada no posicionamento dos dentes. (Foto: Divulgação)

“Se o paciente tem os dentes posicionados de forma correta, ele usa a placa. Se não, ele precisa usar o aparelho ortodôntico para corrigir essa oclusão. Não adianta usar a placa se os dentes não forem reposicionados, vai ser um tratamento sem eficácia”, pondera o Dr. Gilvan Bezerra.

Em casos de crises agudas, quando os pacientes relatam dores fortes no maxilar, ele recomenda ainda um tratamento complementar que pode ser feito com agulhamento ou acupuntura e ainda aplicação de botox nas têmporas e região inferior da boca.

Tratamento integrado

Da mesma forma que a ansiedade é tratada de forma multidisciplinar, com acompanhamento médico e psicológico, a solução eficaz para o bruxismo e os desgastes gerados por ele inclui uma revisão de hábitos e até a mudança na alimentação – tudo com o objetivo de desacelerar a mente e evitar os gatilhos de ansiedade.

Evitar o uso de termogênicos sintéticos ou naturais (café, canela, gengibre) e outras substâncias que acelerem o metabolismo; evitar o uso de aparelhos eletrônicos até uma hora antes de dormir, para uma melhor qualidade do sono; e até evitar a prática de atividades físicas muito intensas são algumas recomendações listadas por Gilvan.

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE