Em Abu Dhabi, Patrícia Macêdo apresenta resultados do programa ‘Acesso Mais Seguro’

Por Redação
Em Abu Dhabi, Patrícia Macêdo apresenta resultados do programa ‘Acesso Mais Seguro’
Patrícia Macêdo (de vermelho) representou Fortaleza durante evento do Fórum Urbano Mundial. (Foto: Divulgação)

A secretária municipal de Relações Internacionais e Federativas, Patrícia Macêdo, representou Fortaleza, nesta terça-feira (11), durante evento do 10º Fórum Urbano Mundial, em Abu Dhabi (Emirados Árabes), apresentando os resultados do programa “Acesso Mais Seguro”, implantado em 2018 na Capital. Cerca de 1,5 milhão de pessoas foram beneficiadas com a iniciativa, que garantiu treinamento aos profissionais de 88% das unidades básicas de saúde de Fortaleza.

Fruto de uma parceria firmada com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), o Acesso Mais Seguro visa garantir serviços públicos essenciais em áreas de vulnerabilidade social. O principal eixo de atuação é treinar os profissionais que atuam nessas áreas, com protocolos de autodefesa para que eles possam se proteger em situações de risco.

LEIA MAIS >> Fortaleza receberá prêmio por ações de segurança viária em Estocolmo

Secretário Alexandre Pereira promove Ceará em feira de turismo em Milão

“O Acesso Mais Seguro aumentou a capacidade da equipe de saúde de gerenciar crises e estresse e estar preparada se surgirem situações violentas desafiadoras. O AMS não fez médicos e enfermeiros se tornarem heróis, nem mais corajosos, mas os tornou mais conscientes do comportamento a seguir caso enfrentassem ameaças violentas. Isso aumentou sua capacidade de responder às necessidades da comunidade, bem como seu senso de pertencimento: agora eles sabem que estão mais preparados para servir a comunidade à qual pertencem, mesmo em circunstâncias difíceis”, destacou Patrícia Macêdo durante a apresentação no evento.

Segundo ela, a implantação do programa contribui também para fortalecer o sentimento de pertencimento à cidade entre os moradores da Capital. “De fato, acreditamos que resiliência também significa gerar um sentimento de pertencimento entre os moradores da cidade”, complementou.

Patrícia Macêdo na instalação com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que devem ser implementados por todos os países do mundo até 2030.

A experiência de Fortaleza foi apresentada no painel “Acesso às Infraestruturas e Serviços no contexto de Violência Urbana”, organizado pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha e pela British Academy, para discutir sobre a relação entre a violência urbana e o acesso nas cidades a infraestruturas e serviços, como saúde e educação. 

O painel foi mediado pela professora do British Academy, Caroline Knowles, e contou ainda com exposições de Paola Forgiane, representante do CICV em Genebra (Suíça), do prefeito de Karachi (Paquistão), Iftikhar Ali Shallwani, e de Kieran Mitton, do King’s College.

Resultados em rede

Os resultados do treinamento proposto pelo CICV já têm resultados práticos, segundo Patrícia Macêdo. “Em 2017, após dois incidentes de furto e tentativa de assalto, tivemos uma unidade fechada por dois dias, durante uma campanha de vacinação. Já em episódios que aconteceram em janeiro de 2019, as clínicas de saúde que aplicaram o protocolo funcionaram normalmente, permitindo que os profissionais oferecessem serviço à população”, destaca.

O painel sobre o programa contou com participantes de diversas partes do mundo.

Além de Fortaleza, os municípios de Duque de Caxias (RJ), Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ) e Vila Velha (ES) integram a rede nacional em que a metodologia do programa é aplicada.


Veja também