Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Maria Ventura fala de fama repentina da cachorra, Cora

16 ago 2021 | Notícias

Por Jacqueline Nóbrega

Maria adotou Cora em São Paulo, em 2018 (Foto: Reprodução)

A história da empresária Maria Ventura com a adoção nasceu em 2018, quando ela adotou em São Paulo a Cora. Três anos depois, a cadela ficou conhecida nacionalmente por abrir a porta, apertar o botão do elevador e “fugir” para a área comum do prédio que Maria e o marido, Mário Montenegro, moram em Fortaleza.

LEIA MAIS >> Maria Ventura fala do grupo Patas Juntas e defende adoção responsável de animais

Ela conta que já mostrava as fugidas de Cora de forma despretensiosa no Instagram, onde é acompanhada por mais de 4 mil pessoas diariamente, mas os seguidores começaram a pedir que Maria mostrasse como de fato tudo acontecia. No dia 22 de julho, a empresária, então, publicou no Reels um vídeo mostrando o passo a passo da fuga de Cora. Há cerca de três semanas, viralizou um vídeo de um cachorro que tocava a campainha de uma casa no Mato Grosso, e os seguidores de Maria logo lembraram de Cora, e assim os sites locais entraram em contato com ela.

“Muitas pessoas me marcaram nessa reportagem. E aí começaram a aparecer jornalistas entrando em contato comigo”, relembra. Inclusive sites nacionais acabaram repercutindo a história.

Maria conta que quando Cora foge, ela tem a ajuda dos porteiros e zeladores do prédio. E quando a fuga acontece, ela logo volta para casa para resgatá-la. “Todo mundo no prédio ama ela! Quando eu expliquei no grupo, o pessoal amou, achou muito engraçado. Quando saiu no Sistema Verdes Mares, no CE TV1 ao vivo, eles mesmo botaram no grupo do condomínio: ‘A Cora tá famosa’”. 

As pessoas, inclusive, ficam impressionadas com a inteligência de Cora, que é SRD (Sem Raça Definida). E Maria enxerga essa repercussão nacional como um ponto positivo. 

“A Cora desperta muitas coisas juntas, o amor pelos animais, a proteção animal, você adotar animais vira latas, o amor, você tratar o cachorro como membro da família, a fama dela traz muitas coisas boas e reflexões legais”. 

Cora é a companheira de Maria e faz tudo com a dona (Foto: Reprodução)

“Meu Instagram bombou! O que eu recebi de mensagem, de visualização, de pessoas que dizendo que estão apaixonados por ela, pessoas com amor por animais resgatados, protetores independentes… Tô achando muito interessante! Sempre achei muito surreal a inteligência dela! Mas eu pensei que fosse ficar aqui”, conta ainda sobre a fama. 

Amor influenciou a família

O amor de Maria por Cora acabou influenciando toda a família. A mãe de Maria, por exemplo, adotou recentemente Pipa. “Percebi que meu olhar sobre a adoção e o amor que todos tem pela Cora foi transformador e necessário para que todos nós entendamos a necessidade da adoção. Dar a oportunidade de uma família para eles que precisam e são tão maravilhosos. Nós que ganhamos”.

A mãe de Maria agora adotou Pipa (Foto: Reprodução)

Além de empresária e está construindo uma carreira como influenciadora digital, Maria ainda é protetora independente do grupo Patas Juntas, cujo objetivo é salvar animais que vivem nas ruas de Fortaleza e conseguir famílias para adotá-los. Quem quiser mais informações, pode acompanhar o perfil do Instagram do grupo

“O Patas Juntas é um trabalho, literalmente, diário! Não existe um dia que eu acorde e não resolva algo. Passamos o dia nos falando e nos ajudando”.

Ela ainda confessa que se pudesse, a casa estava cheia de mais animais, mas reforça que adotar é um ato de responsabilidade, por isso se divide, por enquanto, entre Cora e Pipa. “Se eu pudesse a casa tava cheia. Meu marido me segura”, brinca. “A adoção é um ato sobretudo de responsabilidade. O animal precisa ter qualidade de vida, passear todo dia, ter educação… Sendo isso uma prioridade na minha vida com a Cora. Quero muito ter outro, mas nesse momento foi a Pipa, que eu digo ser guarda compartilhada. Na mamãe e aqui”.

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE