Número de passageiros cresce quase 20% no Aeroporto de Jericoacoara

Por Rosi Melo
Número de passageiros cresce quase 20% no Aeroporto de Jericoacoara

No final de novembro, o Aeroporto de Jericoacoara ultrapassou o número de passageiros em relação a 2018, que foi de aproximadamente 84 mil. Foram mais de 100 mil pessoas circulando entre janeiro a novembro de 2019, entre embarques e desembarques, em voos operados pelas companhias GOL Linhas Aéreas e a Azul, além de aviação privada. Essa movimentação representa um crescimento de 19,29% em comparação com o mesmo período do ano passado.

LEIA MAIS >> Aeroporto de Fortaleza inaugura sala vip em abril

Governador Camilo Santana participa de coquetel da Air France/KLM em Brasília

De acordo com o gerente do Programas e Operações Aeroportuárias da Superintendência de Obras Públicas, Cláudio Sampaio, os dados apontam uma demanda crescente do mercado. “Os números são muito fortes, demonstram que há uma demanda, que ela pode ser atendida e que deve ser atendida naquela área, onde o turismo é muito ativo. O Estado tem esta vocação e o Aeroporto de Jericoacoara responde perfeitamente às necessidades dos turistas que vêm conhecer as maravilhas que nós temos”.

O fluxo de turistas, segundo Sampaio, deve aumentar neste fim de ano no aeroporto. Para o dia 27 de dezembro, por exemplo, já estão programados seis voos, com prospecção de 1.800 pessoas em um único dia. Na série histórica, contabilizada desde a inauguração do equipamento, em 2017, o maior registro de movimentação foi feito em janeiro deste ano, com 15.324 passageiros.

O próximo passo de expansão do aeroporto é a internacionalização. “Este processo envolve três fases. A primeira é a identificação e ajustes na infraestrutura aeroportuária, seguindo os regulamentos da Agência Nacional de Aviação Civil e do Departamento de Controle de Espaço Aéreo, etapa na qual nos encontramos.

A segunda fase é fazer contato com os órgãos que realizam esta avaliação, como a Polícia Federal, a Receita Federal, o Ministério da Agricultura e a Anvisa, para que eles possam proferir as autorizações, o alfandegamento. Passados esses estágios, o último momento é dar entrada no processo junto à Agência Nacional de Aviação Civil para a concessão da operação dos voos internacionais”, ressalta Sampaio.

Fotos: Marcos Studart 

Veja também