Ponte do Poço da Draga vai ganhar escada e deck

Por Jéssica Colaço
Ponte do Poço da Draga vai ganhar escada e deck
Situada próximo ao Poço da Draga, a Ponte Velha reúne várias pessoas que gostam de pular no mar aos domingos. (Foto: Renato Bezerra)

Point que costuma reunir dezenas de amantes do mar aos fins de semana, a ponte do Poço da Draga, popularmente conhecida como Ponte Velha, vai ganhar uma escada e um deck para dar apoio a quem costuma pular em direção ao mar. A intervenção é fruto do projeto “A queda é livre”, dos arquitetos Vitor Vieira e Francisco Cavalcante, que foi um dos vencedores do edital Cria P.I., lançado pela Prefeitura de Fortaleza por meio do Instituto Iracema.

Segundo Vitor, o projeto está agora nos trâmites burocráticos, mas a meta é que ele seja implantado ainda no primeiro semestre deste ano. A proposta prevê a instalação de uma escada metálica amarela, que se estende da ponte até dentro do mar, e um deck flutuante, com aproximadamente 2,5 metros de raio, que ficará sobre a água.

LEIA MAIS >> DFB Festival 2020 tem data divulgada; confira

Fortaleza é eleita Cidade Criativa pela Unesco

A escada sugerida no projeto deve ajudar os banhistas a voltarem para a ponte depois de pularem no mar. (Foto: Reprodução)
Já o deck, segundo os arquitetos, é um estímulo à permanência no mar. (Foto: Reprodução)

“O salto no mar é algo que já foi apropriado pela população e não podem mais evitar. Então, por que não reduzir os riscos que isso pode trazer? As pessoas já chegaram a colocar uma escada improvisada para ajudar quando elas voltam do salto; e a ideia do deck surgiu para ser um suporte a quem já está na água pra estimular o ato de permanência no mar”, detalha Vitor, acrescentando que o deck comporta até oito pessoas.

O projeto deve sofrer, ainda, algumas alterações, pontua o arquiteto, e a intenção é envolver os moradores do Poço da Draga na implantação das estruturas. “Esse projeto só faz sentido se a população estiver engajada. Qualquer intervenção urbana demanda envolvimento da população, porque são as pessoas que vão usar, se apropriar e é através desse uso que vão manter o equipamento”, defende Vitor.

Veja também