Profissões na área de tecnologia estão entre as que mais crescerão nos próximos anos. É o que aponta o Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023, relatório elaborado pelo SENAI para auxiliar a oferta de cursos da instituição.

O estudo revela que a carreira de condutor de processos robotizados, por exemplo, terá a maior taxa de crescimento percentual no número de empregados, com 22,4% no aumento de vagas. O resultado é um reflexo de um cenário positivo no setor e de um investimento maior em automação do processo de produção, que demanda a contratação de profissionais de robótica.

>> LEIA TAMBÉM: MaxiModa 2019 | Alexandra Farah traz importância da tecnologia para criar moda sustentável

Qualificação

Segundo o levantamento, o Brasil deve qualificar 10,5 milhões de trabalhadores na área industrial. Essa formação ocorrerá até 2023, nos níveis técnico, superior, qualificação profissional e aperfeiçoamento.

As áreas da indústria que mais demandarão formação profissional são transversais (1,7 milhão), metalmecânica (1,6 milhão), construção (1,3 milhão), logística e transporte (1,2 milhão), alimentos (754 mil), informática (528 mil), eletroeletrônica (405 mil), energia e telecomunicação (359 mil).

Vale dizer que os trabalhadores de qualificação transversal atuam em qualquer segmento, como é o caso de profissionais de pesquisa e desenvolvimento, técnicos de controle de produção e desenhistas industriais.

De acordo com o Mapa, a maior parte da demanda de qualificação inclui o aperfeiçoamento de trabalhadores que já estão empregados e, em parcela menor, de 22%, aqueles que precisam de capacitação para ingressar no mercado de trabalho.

Novos empregos

A pesquisa ainda mensura que as profissões que tiverem a tecnologia como base apresentarão as maiores taxas de crescimento de empregos. Além dos condutores de processos robotizados, se incluem nesse aumento: pesquisadores de engenharia e tecnologia (17,9%); engenheiros de controle e automação, engenheiros mecatrônicos e afins (14,2%); diretores de serviços de informática (13,8%); operadores de máquinas de usinagem CNC (13,6%), entre outros.

Apesar do baixo número de empregos criados nessa área, em relação ao total de empregados no Brasil atualmente, o crescimento acelerado da indústria tecnológica aponta uma tendência promissora para o mercado de trabalho.

Fotos: iStock