Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Qual é o momento de pedir ajuda? Saiba identificar sinais de depressão

15 set 2021 | Notícias

Por Redação

O dia 10 de setembro é considerado o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio (Foto: Unsplash)

Como identificar comportamentos depressivos em alguém — ou saber se você está apresentando sinais de depressão? Em alusão ao Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, lembrado na última sexta-feira (10), e a este Setembro Amarelo, a equipe do Site MT entrevistou a psicóloga Adeliana Máwima Falcão, especialista em neuropsicologia, para falar sobre o assunto, focando na identificação e superação.

LEIA MAIS >> Como a alimentação ajuda na manutenção da boa saúde mental

MT Cast #22: suicídio e Setembro Amarelo com Dr. Fábio Gomes e Ana Patrícia Aragão

A psicóloga afirma que alguns comportamentos e pensamentos podem indicar sinais de que a pessoa está sofrendo, porém, é importante perceber que as causas de uma tentativa ou ideações suicidadas não são isoladas, sendo assim multifatoriais.

“É preciso levar em conta o ambiente no qual a pessoa está inserida, a situação econômica, transtornos psicológicos, qualidade de relacionamento e suporte. Sinais como manifestações verbais de invalidação da vida, esvaziamento e falas sobre pouco ou nenhum sentido de viver são discursos que devem ser considerados, acolhidos e cuidados“, aconselha Adeliana.

Além disso, outros fatores podem ser sinais de alerta, segundo a especialista em neuropsicologia. “Mudanças bruscas de hábitos, como evitar companhias antes apreciadas, preferindo o isolamento; diminuição dos hábitos relacionados a necessidades básicas como higiene, alimentação e sono — este último é importante ficar alerta pelos excessos, dormir de mais ou não dormir; falas e planejamento sobre sua própria morte, por exemplo, ‘como seria se eu não estivesse mais aqui?’, ‘as pessoas iriam se importam com isso?’; falas de desvalor, como não ‘sou capaz, sou inútil, não presto para nada e ninguém me valoriza’ precisam ser entendidas e acolhidas”.

“Lembrando que todo sofrimento é singular. É importante validarmos a dor como uma forma de compreender e ajudar”,

comenta Adeliana.

Mitos da depressão

De acordo com a psicóloga, todas as pessoas precisam ter um olhar atento para questōes relacionadas a saúde mental — até mesmo para não reproduzir discursos errôneos sobre o tema. Por exemplo, vários mitos circundam a temática depressão, como a ideia de “quem vai provocar o suicídio não fala”.

“Esse discurso é preocupante visto que a comunicação acontece por outras vias e não apenas verbal. Como anteriormente falado, as mudanças bruscas de comportamentos e hábitos fazem parte de uma linguagem expressiva. Pensar que uma fala sobre suicídio é uma forma de chantagem é um discurso que precisa cautela, uma vez sinalizado pode, sim, ser um indicativo de sofrimento e dor”, orienta.

Adeliana ainda aponta alguns obstáculos que ofuscam medidas reais de cuidado, como a naturalização do sofrimento, com a tendência de minimizar a dor; pouco ou nenhum contato com as informações pertinentes a temática e utilização de discursos não científicos como justificativas para a doença mental. “A dor que implode muitas vezes tem uma força maior do que quando externada. Ficarmos atentos e abertos para reconhecer um sofrimento é um grande passo para prevenção de atos que agridem a própria vida”.

Ressalta-se, acima de tudo, que quadros assim podem ser superados e tratados, como defende a psicóloga: “Diante de um cenário de comportamento ou ideação suicida, é importante a identificação e que a busca por ajuda seja pela própria pessoa ou por sua rede de apoio, uma vez que é relevante que esta rede esteja sensível aos pequenos indícios. Acompanhamento médico, psicológico, apoio social, são fatores que contribuem para a elaboração e ressignificação das dores. Quadros que apresentam sintomas depressivos, quando assistidos, possuem grande probabilidade de tratamento e equilíbrio emocional“.

Setembro Amarelo

O dia 10 de setembro é considerado o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. A data foi criada pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para chamar a atenção de governos e da sociedade civil para a importância do assunto.

No Brasil, o “Setembro Amarelo” é a campanha que marca o mês dedicado à prevenção ao suicídio. A campanha é uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), da Associação Brasileira de Psiquiatria e do Conselho Federal de Medicina. Neste ano, o tema é “Agir salva vidas“.

O site da Prefeitura de Fortaleza lista uma série de locais na cidade que trabalham com prevenção ao suicídio, incluindo o Centro de Valorização da Vida (CVV) que tem atendimento 24h pelo telefone 188.

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE