PUBLIEDITORIAL

Saúde dos idosos requer mais cuidados durante isolamento

Por Redação
Saúde dos idosos requer mais cuidados durante isolamento
Idosos necessitam de cuidados especiais pois são mais vulneráveis ao Covid-19 (Foto: Shutterstock)

Embora a prevenção ao coronavírus necessite da cooperação de todos e seja um risco efetivo para toda a população, é sabido que alguns grupos são mais vulneráveis aos efeitos da doença, entre eles, estão os idosos. Um relatório do site Worldometer, elaborado com base em dois estudos chineses, mostra que a taxa de letalidade da Covid-19 é de 0,02% em pessoas com idades entre 10 e 39 anos e sobe para 3,6% a partir dos 60 anos, chegando a 14,8% para pessoas acima de 80 anos. Essa realidade torna ainda mais importante o isolamento dos idosos enquanto houver risco de contágio. No entanto, ficar recluso também pode afetar a saúde física e mental dessas pessoas, por isso, outros cuidados se mostram necessários nesse período. 

Tanto a saúde emocional quanto a saúde física merecem atenção nesse período. Para minimizar possíveis danos, a supervisora administrativa da Assistência do Sesc Fortaleza, Thaís Castro Monteiro, lembra a importância de que as pessoas que têm doenças crônicas, como hipertensão e o diabetes, continuem administrando suas medicações e não cometam excessos na alimentação, para evitar que precisem de atendimento médico no período ou que fiquem mais fragilizadas. 

LEIA MAIS >> Dez exercícios para jovens e idosos fazerem em casa durante a quarentena

Apps de chamadas de vídeo para usar em família ou no trabalho

A assistente social lembra que, para quem pratica exercícios físicos, é recomendado conseguir uma forma de não ficar parado. “Manter uma rotina saudável é fundamental nesse período. As atividades físicas poderão ser adaptadas, conforme a realidade de cada um. Residentes de casa podem utilizar espaços como o quintal ou jardim para dar uma caminhada. Alongar-se é também uma estratégia”, explica.

Um dos pontos mais delicados e que não pode ser negligenciado diz respeito ao contato com a família e outras pessoas queridas. Quanto a isso, Thaís dá algumas dicas do que pode ser feito: “manter o contato com o idoso, através de ligações, chamadas de vídeo e mensagens positivas; é importante que o longevo se comunique com os amigos, familiares e pessoas que fazem parte da sua rotina”. 

A supervisora fala ainda de como os grupos em aplicativos de mensagem devem ser usados de forma positiva nesse período. Ela dá o exemplo de como o Trabalho Social com Grupos do Sesc Fortaleza vem alimentando diariamente esses grupos, formados por idosos, com materiais de estímulo cognitivo, vocal, escrita, sobre organização da rotina e outros. No entanto, é necessário tomar precauções nesses meios também. “Cabe salientar que é preciso se inteirar das notícias com moderação, vale ler e se debruçar sobre outros assuntos também, para controlar a ansiedade”, adverte.

Evitar conflitos

Uma última questão que Thaís aponta é quanto aos conflitos familiares que podem acontecer quando os idosos se recusam a seguir as precauções exigidas neste momento. Ela ressalta que é importante respeitar a autonomia do idoso, entender o porquê de sua recusa e traçar junto a ele estratégias para facilitar que as normas sejam cumpridas. “O enfrentamento pode gerar conflitos e não resultar as  atitudes esperadas”, explica. E completa dizendo que “cabe aos familiares compreender os motivos pelos quais se torna difícil para o idoso permanecer no domicílio. Solidão? Necessidade de aquisição de alimentos? A partir disso traçar estratégias como: ligar com frequência, se dispor a fazer compras e etc.”.

Veja também