A GQ Brasil elegeu o Belmond Copacabana Palace como cenário para a festa de gala da premiação Men of The Year 2019 (MOTY), na última quarta-feira (27). A noite de fortes emoções foi marcada pela entrega do troféu de Mulher do Ano à cantora Anitta pela segunda vez e a consagração da estrela de “Bacurau” (2019), Silvero Pereira, na categoria Cinema. Vestida de drag e usando criação do estilista também cearense Lindebergue Fernandes, ele fez o discurso mais poderoso da noite, enaltecendo a diversidade.

Silvero Pereira surgiu deslumbrante no Copacabana Palace

LEIA MAIS >> VEJA FOTOS: Os looks das brasileiras no Festival de Cannes 2019

“Eu imagino que muita gente deve se perguntar agora: ‘como alguém pode ganhar um prêmio chamado “Homens do Ano” vestido dessa forma?’ ‘É para aparecer?’ Não, eu não quero likes. Eu vim do sertão do Ceará. Sei o que é passar fome e o que é passar sede. Eu fui violentado socialmente por diversos anos. Mas eu estou aqui e queria dizer que o meu lado feminino empodera o meu lado masculino. É por isso que eu vim assim”, falou na ocasião.

Anitta foi eleita “Mulher do Ano” e escolheu um pretinho básico para a ocasião

Já Anitta atribuiu o prêmio também ao funk, estilo musical onde iniciou sua carreira. “Eu nunca quis cantar por cantar. Eu queria levar o funk para o mundo. Agora eu quero que mais mulheres se sintam como eu. Espero voltar a esse prêmio como empresária ou mulher de negócios. Ser do funk e rebolar não é fácil, gente. Fico feliz de ser respeitada em tantos lugares”, declarou.

Também foram premiados pelo Men of The Year 2019: Felipe Neto, como Personalidade Digital; Fábio Porchat, na categoria Televisão, com o programa Que História é Essa, Porchat; Dominique Oliver, CEO da Amaro, venceu o prêmio de Homem do Ano em Moda; Guilherme Benchimol, da XP Investimentos, na categoria Liderança; Márcio Silva, do Guilhotina, conquistou a categoria Bartender; Baco Exu do Blues venceu o MOTY em Música; Eduardo Vanzak e Lohran Schmidt, responsáveis pela fabricante de chás saudáveis Desinchá, na categoria Novos Negócios; Marcos Leta, fundador da Fazenda Futuro, que produz carne através de plantas, recebeu o prêmio Sustentabilidade; e o maestro Carlos Prazeres na categoria Responsabilidade Social pelo seu trabalho humanitário na Favela da Maré, no Rio de Janeiro.

Fotos: Reprodução/Instagram