Na última sexta-feira (29), o governador Camilo Santana homenageou personalidades importantes que ajudaram a construir a história do Ceará com a Medalha da Abolição. O evento reuniu representantes dos Poderes Executivo, Legislativo (estadual, federal e municipal), Judiciário e Ministério Público, além de prefeitos e diversos líderes políticos e empresariais de todo o Ceará.

Camilo Santana e Coronel Eduardo Holanda
Camilo Santana e Regina Marta Albuquerque Barbosa
Camilo Santana e Edson Ventura

A principal honraria do Estado foi concedida à presidente da Academia Cearense de Letras, Ângela Maria Rossas Mota de Gutiérrez, primeira mulher a presidir a entidade literária; empresário Edson Carvalho Ventura; desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, Maria Iracema Martins do Vale, conselheira do Conselho Nacional de Justiça (CNJ); ex-senador Carlos Mauro Cabral Benevides; Regina Marta Albuquerque Barbosa, fundadora da Casa de Vovó Dedé, instituição sem fins lucrativos que promove o desenvolvimento de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social; e padre Reginaldo Manzotti, fundador da associação Evangelizar é Preciso, movimento de evangelização.

Também recebeu a homenagem, o Corpo de Bombeiros Militar do Ceará, pelos relevantes serviços prestados à população cearense. O governador Camilo Santana fixou a Medalha da Abolição na bandeira oficial da corporação em reconhecimento. O comandante geral do Corpo de Bombeiros, coronel Eduardo Holanda, disse que receber a comenda é o reconhecimento não só do Governo do Ceará mas de toda a população, “por todo o trabalho desempenhado pelo Corpo de Bombeiros Militar do Ceará. A gente sempre teve uma grande credibilidade junto à sociedade cearense e os últimos acontecimentos mostraram que o Corpo de Bombeiros está preparado para atender à sociedade, desde a situação mais simples à mais complexa”. Ele fez questão de dividir a homenagem com toda a tropa, representada pelos homens e mulheres que fazem o Corpo de Bombeiros.

Germano Frank, Ricardo Cavalcante e Thomaz Figueiredo
João Soares e Iracema do Vale

Entre os homenageados, a professora, escritora e primeira mulher a presidir a Academia Cearense de Letras, Ângela Gutierrez, dividiu a honraria com professores e agentes culturais do Ceará e reconheceu o esforço do governador Camilo Santana para valorizar e difundir a cultura do povo cearense. “Não sou eu quem está recebendo. São todos os professores e professoras, todas as escritoras e os escritores, os fazedores de cultura, que reconhecem no governador Camilo Santana um homem que tem compromisso com a educação e a nossa cultura. A primeira vez que assisti a entrega da Medalha da Abolição, o homenageado foi Dom Helder Câmara e não imaginava chegar ao mesmo lugar que ele, sinto-me orgulhosa em representar minha categoria recebendo a honraria”, comemorou.

Marcio Crisostomo e Cid Gomes
Fernando e Marcia Travessoni, Arthur Bruno e Emilia Buarque
Padre Reginaldo Manzotti, Mauro Benevides, Onelia e Camilo Santana

O padre Reginaldo Manzotti, há 12 anos no comando do Evangelizar é Preciso, destacou a religiosidade do povo cearense, citando importantes símbolos do Estado, como o Padre Cícero, a Menina Benígna, a Estátua de São Francisco, em Canindé, e as romarias de Juazeiro do Norte. Receber a Medalha da Abolição para ele é motivo de alegria, “porque os laços com o Ceará e os cearenses se esteiram cada vez mais e eu me sinto cada dia mais próximo de uma terra tão abençoada por Deus e que me deixa com o compromisso de trazer aqui sempre a palavra Dele. Feliz o Estado que tem um governador temente a Deus e que tem um olhar de sensibilidade para com o seu povo”, ressaltou.

Confira mais fotos da solenidade: