A bailarina carioca Ingrid Silva emocionou a todos quando mostrou em suas redes sociais uma grande conquista: a primeira sapatilha na cor da sua pele. Negra, Ingrid sempre precisou pintar o seu principal instrumento de trabalho, que originalmente é do tom rosado.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Ingrid Silva (@ingridsilva) em

Leia também >>> Instagram e Twitter lançam recursos para celebrar o mês da Consciência Negra
Ceará Sem Racismo: Zelma Madeira detalha ações de campanha que será implantada em novembro

A bailarina comemorou a conquista, considerando uma grande passo em busca da igualdade. “Elas chegaram! Pelos últimos 11 anos, eu sempre pintei a minha sapatilha. E finalmente não vou ter mais que fazer isso! É uma sensação de dever cumprido, de revolução feita, viva a diversidade no mundo da dança”, postou em seu Instagram. 

Em uma sociedade onde muitas lutas são invisibilizadas, Ingrid mostrou para os seus seguidores todo o trabalho e custo para manter as sapatilhas no tom adequado para sua pele. Cada pote de tinta usada para adaptar os calçados custa cerca de US$ 12 dólares. As novas sapatilhas são da marca Chacott.

Processo de pintura da sapatilha (Foto: Instagram)

Sempre à frente na cobrança de igualdade diante das marcas do segmento, ela é a estrela de uma companhia composta majoritariamente por dançarinos negros, a Dance Theatre of Harlem, de Nova York, que também busca incentivar o uso de acessórios que respeitem as cores dos corpos de cada pessoa.

Ingrid faz parte da Dance Theatre of Harlem, (Foto: Instagram)

Nascida no bairro Benfica, na Zona Norte do Rio de Janeiro, Ingrid começou a sua carreira aos 8 anos, mas foi participando de um projeto social chamado Dançando para Não Dançar que conseguiu uma bolsa de estudo em Nova York.

Atualmente, além do ballet e de participar de campanhas publicitárias, a bailarina é uma das fundadoras do Empow’Her, uma plataforma colaborativa para compartilhar histórias de dar voz a mulheres reais a alcançar seus objetivos.

Foto de destaque: Reprodução/ Instagram