Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Casos de Covid-19 diminuem entre a população indígena do Ceará

19 abr 2021 | Notícias

Por Redação

O líder indígena Dourado Tapeba integrou o grupo dos primeiros cearenses que receberam a vacina contra Covid-19 no Estado. (Foto: Divulgação)

O Ceará avança na campanha de vacinação contra a Covid-19 com foco, atualmente, nos grupos prioritários. O Governo do Estado divulgou que os casos da doença entre a população indígena vêm diminuindo consideravelmente, isso porque mais de 90% dos povos cearenses, que compõem este grupo, foram vacinados. De acordo com os dados mais recentes do Vacinômetro da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), 92,24% das primeiras doses distribuídas já foram aplicadas neste grupo (18,8 mil pessoas). Em relação às segundas doses, 86,44% desta parcela populacional já recebeu o reforço do imunizante (17,6 mil pessoas).

LEIA MAIS >> Camilo Santana mantém decreto atual e libera atividades físicas em espaços públicos

Ceará supera a marca de 1 milhão de doses da vacina aplicadas contra Covid-19

Os maiores polos de concentração de povos indígenas no Ceará ficam nos municípios de Caucaia, Maracanaú, Poranga, São Benedito, Itarema e Monsenhor Tabosa – territórios que já têm quase 100% dos povos originários vacinados. O presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena do Ceará, Neto Pitaguary, ressalta que os casos vêm diminuindo à medida que as pessoas vão sendo imunizadas e que é preciso continuar seguindo os protocolos de segurança, como uso correto de máscaras, álcool em gel e distanciamento social.

“Nós estamos no front do combate à esta doença e observamos que, após a vacinação, nenhum indígena precisou ser internado ou desenvolveu a doença de forma grave. E isso é muito positivo. Mas ainda reforçamos os cuidados que a comunidade precisa ter, mesmo após a segunda dose da vacina”, orienta Neto Pitaguary. “Mesmo que não desenvolvam a doença, podem contaminar quem ainda não foi vacinado, então reforço aqui meu pedido de atenção ao isolamento, uso de máscaras e álcool em gel”, continua.

Segundo Magda Almeida, secretária executiva de Vigilância e Regulação da Sesa, a vacinação dos indígenas é importante porque cobre uma população com alta vulnerabilidade social. “A imunização vem numa articulação própria da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), junto com os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dseis), então é extremamente direcionada”, diz.

A articulação com os movimentos sociais e com a Sesai, avalia Magda, fez com que o Ceará tivesse uma boa adesão da população indígena para a vacinação. “Assim, eles ficam mais protegidos, rompendo a cadeia de transmissão do coronavírus”.

Apoio ao grupo

À frente da Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS), Socorro França destaca que os povos indígenas são prioridade na vacinação e que também têm recebido diversas doações de alimentos desde o ano passado. “A pandemia é um grande desafio para todos nós, mas estamos conseguindo vencer. É muito gratificante ver que as comunidades tradicionais e povos indígenas vêm sendo imunizados com rapidez e que, mesmo enfrentando uma segunda onda, nós seguimos lutando para que todos sejam vacinados e fiquem protegidos”, ressalta.

Ela também lembra que a SPS entregou, recentemente, cestas básicas à população indígena em parceria com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e a Fundação Nacional do Índio (Funai). “Esta semana já entregamos 1.860 cestas em comunidades indígenas. No ano passado, conseguimos distribuir quase dez mil cestas nestes territórios, além de divulgar material informativo sobre as ações de enfrentamento ao coronavírus específicas para povos e comunidades tradicionais”, destaca Socorro França.

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE