Fortaleza ganha hub de inovação que promete investir em startups

Por Bruno Brandão
Fortaleza ganha hub de inovação que promete investir em startups

Fortaleza recebeu mais um produto voltado para o mundo dos startups. Foi lançado, na última terça-feira (10), o Ninna Hub de Inovação. O projeto, que vai funcionar no prédio que abrigava a Bolsa de Valores Regional, foi idealizado pela Leblon Investimentos Ltda e a Renda Participações. A ideia é impulsionar startups voltadas para as áreas de tecnologias em saúde, varejo, serviços financeiros, logísticas, internet e inovação.

LEIA MAIS >> M. Dias Branco vai investir R$ 1 milhão em startups em 2020

Brasil recebe programa feminino de aceleração de startups do Vale do Silício

Inicialmente, o hub chega com 80 posições de trabalho, abrigando entre 15 a 20 startups. Ele tem como mantenedores as Farmácias Pague Menos; a L’auto Cargo; a empresa de segurança Servis Segurança e Serviços; o Family Office CDP Capital, a Universidade Federal do Ceará (UFC), através do CEMP – Centro de Empreendedorismo da UFC e a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Ceará (Secitece).

O governador Camilo Santana prestigiou o evento ao lado de empresários

“A ideia surgiu a partir de visitas que fizemos em outros hubs de inovação no Brasil e fora do País. O interessante é que, nesses lugares, sempre havia um cearense com uma startup. Eu perguntava se eles estavam lá pelo fato do mercado ser maior ou se não havia uma estrutura que desse suporte a eles aqui no estado. A resposta que eu sempre ouvia era que não havia aqui essa estrutura”, justifica Delano Macêdo, um dos idealizadores do Ninna.

Jessica Sales, Melina Brito e Amanda Albuquerque
O lançamento reuniu empresários, investidores e empreendedores

Entre os diferenciais, os startups terão uma aceleradora e investidores avaliando as oportunidades. Humberto Lima, gerente-executivo do hub, explica como pretende colocar em prática os projetos: “O nosso trabalho será fazer o meio de campo, trazendo ideias inovadoras para as empresas. Não queremos pegar os projetos da fase inicial, queremos que as universidades deem o primeiro impulso. No segundo momento, a gente prepara essas startups para entrar de vez no mercado”.

Fotos: João Dijorge/ Divulgação

Veja também