Embora os setores de tecnologia, engenharia e programação estejam entre os que mais crescem no mundo, o percentual de participação feminina ainda é muito baixo. No Brasil, segundo o IBGE, as mulheres somam 20% de quase 600 mil profissionais que trabalham com tecnologia da informação. A par desse cenário, o SiliconVal.ly Institute lança, em território nacional, o Brazilian Women in Tech (BRAwit), programa de aceleração para empreendedoras na área de tecnologia.

O projeto tem o objetivo de ascender as startups comandadas por mulheres no mercado internacional. Para tanto, a SiliconVal.ly promoverá uma imersão em São Francisco, nos Estados Unidos.

Quem está à frente dessa ousada empreitada é o fundador e presidente do SiliconVal.ly, Tommaso Di Bartolo. Para ele, essa é a oportunidade de revelar um potencial inexplorado no País. “O Brasil é um país de potencial inexplorado. A força e determinação de suas mulheres são admiráveis e fundamentais para o progresso da nação. E nós assumimos como missão capacitar as mulheres brasileiras em sua jornada em empreendedorismo tecnológico, compartilhando estratégias, frameworks, ferramentas, tecnologias e tudo que há de mais inovador no ecossistema do Vale do Silício”.

Tommaso Di Bartolo. Foto: Divulgação

Seleção

A seleção para o BRAwit é bastante criteriosa. O instituto está em busca de startups em mercados disruptivos, que envolvam robótica, inteligência artificial, sistemas autônomos, blockchain, IOT, visão computacional e computador quântico. É necessário que a empresa possua um sócio técnico e outro comercial com características complementares.

Todo o processo seletivo irá durar três meses, com três etapas: triagem, entrevista e pitch. As 15 startups mais bem avaliadas serão desafiadas, durante o programa, a desmontar o status quo e reconstruir sua empresa em escala global. Para alcançar esse objetivo, os participantes contarão com a ajuda de um time de mentores renomados e reuniões semanais, online e offline, para mentorias, workshops e meetings com empreendedores, executivos, investidores e influenciadores vinculados a unicórnios (startups que passam por um crescimento exponencial, alcançando a avaliação de US$ 1 bilhão), Venture Capital e multinacionais do Vale do Silício.

>> LEIA TAMBÉM: AJE Fortaleza promove evento concorrido sobre startups e novas tecnologias

Os selecionados passarão por duas fases no BRAwit. Entre janeiro e março de 2020, os trabalhos ocorrem remotamente e serão encerrados com um DemoDay para investidores anjos e fundos de investimento nacionais e internacionais. Na segunda fase, as cinco melhores startups serão levadas para o Vale do Silício para aceleração. Lá, acontecerá um DemoDay em São Francisco, com a nata da cena de startups do mundo.

Além disso, os participantes receberão o Selo “We are SiliconVal.ly”, o que representa que a startup é membro do instituto, garantindo acesso vitalício a eventos exclusivos e uma rede de networking com executivos, empresários, investidores e universidades focada em startups e inovação de alta performance.

Um modelo do programa já foi realizado nos Estados Unidos, em versão mista, e chega pela primeira vez ao Brasil, com foco nas mulheres empreendedoras.

Ficou interessado? As inscrições devem ser feitas até o dia 30 de novembro, através do link http://brawit.siliconval.ly.

Sobre o SiliconVal.ly

O SiliconVal.ly Institute é expert em impulsionar a inovação de empresas e startups, principalmente na Ásia, África e América Latina, via programas de aceleração embasados no Vale do Silício. O instituto já acelerou mais de 800 startups ao redor do mundo que juntas renderam cerca de US$ 100 milhões em investimento.

Foto principal: iStock