Momento atual é de organização das cidades turísticas, diz Anya Ribeiro

Por Jacqueline Nóbrega
Momento atual é de organização das cidades turísticas, diz Anya Ribeiro
Presidente da Câmara Setorial de Turismo e Eventos, Anya Ribeiro também já foi secretária do Turismo do Ceará no governo Tasso Jereissati Foto: Arquivo pessoal

A retomada do turismo após a crise é ainda um assunto incerto, mas as mudanças de comportamento dos viajantes já estão sendo consideradas pelos destinos turísticos. Para a presidente da Câmara Setorial de Turismo e Eventos, Anya Ribeiro, o turista vai, a partir de agora, avaliar como está a realidade de cada destino. “Nesse sentido o momento atual é de organização das cidades que recebem qualquer tipo de turista, seja de lazer, entretenimento, negócios, para dar segurança total aos viajantes, de forma que eles viajem e tenham a saúde garantida“, afirma.

De acordo com Anya, esse comportamento diferente será percebido não apenas nas pessoas dispostas a fazerem turismo, mas nas rotinas como um todo. “Esse medo só vai sair da nossa alma quando tivermos um comportamento generalizado da população de dar essa segurança a todo mundo. Infelizmente o que temos visto é a falta de consciência e compromisso das pessoas”, pondera.

LEIA MAIS >> Pandemia traz exercício de altruísmo tal como a vida de uma mãe, diz secretária de Saúde de Fortaleza

Primeira mulher a presidir associação nacional de portos, Mayhara Chaves quer reduzir taxas e impostos no setor

Destinos locais

A tendência no Estado, prevê Anya, é que os cearenses viajem para destinos locais, movimento influenciado pela proximidade e segurança sanitária, além da redução nos voos regionais. “São lugares mais próximos, que saberemos como está o controle da pandemia, ou porque a pessoa tem familiares em outro município, ou até um trabalho. Também estamos conversando com as outras regiões para que elas possam, junto com Fortaleza, estarem se organizando para essa retomada, para receber o cearense”, adianta, incluindo ainda o Rio Grande do Norte, Piauí e Maranhão no roteiro por serem destinos acessíveis de carro.

Esse cenário de princípio de retomada deve acontecer por meados de agosto, ainda de acordo com ela. “Pelo plano do governador Camilo Santana, as atividades de turismo, eventos e futebol só deverão retornar 56 dias após o pico da pandemia”, detalha.

Anya também frisa que o trabalha que tem feito à frente da Câmara é de conscientizar para que todos trabalhem unidos. “Esse momento é de muita cooperação. O turismo não se faz só na hospedagem, precisa de avião, de eventos, de alimentação… A cadeia precisa estar muito mais unida nessa retomada, recriar a sociedade para um novo turismo. Mais olhar para o meio-ambiente, para o desenvolvimento social, comunidades locais, um turismo que beneficie tudo isso”, defende.

Novas estratégias

Entidade abrigada na Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), a própria Câmara Setorial de Turismo e Eventos teve a rotina alterada, assim como a presidente. Se antes o planejamento visava integração das ações do turismo com as das outras câmaras setoriais que representam diferentes setores produtivos, hoje o trabalho é reunir as dificuldades das instituições que são parceiras para ajudá-las a enfrentar o momento de crise.

“Encaminhamos ofícios para o Governo do Estado, Prefeitura, Sebrae e Banco do Nordeste relatando a necessidade de algumas ações que pudessem minimizar o impacto que as empresas estão passando e dar um pouco de sobrevivência diante dessa crise”, detalha Anya.

Primeira mulher a ocupar o cargo de secretária do Turismo do Ceará, no governo Tasso Jereissati, Anya tem participado de uma série de reuniões abordando a retomada do turismo. “O nosso momento atual é também de trabalhar para ter a Assembleia Legislativa mais engajada com o turismo e ter o turismo mais engajado com quem nos representa na Câmara dos Deputados”.

Veja também