logo

Semace licenciará a instalação de duas usinas eólicas para Aracati

Por Redação
Semace licenciará a instalação de duas usinas eólicas para Aracati
De acordo com o Relatório de Impacto Ambiental (Rima) do projeto, 50% da área a ser ocupada pelo complexo encontram-se desmatadas, o que reduz a previsão de supressão vegetal. (Foto: Freepik)

A Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) emitirá as licenças de instalação e de operação de duas novas usinas de geração de energia eólica projetadas para o município de Aracati. Os pareceres técnicos favoráveis ao empreendimento foram aprovados na última quinta-feira (14), em uma reunião virtual do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema).

LEIA MAIS >> Ceará terá livro sobre fauna ameaçada de extinção

Hora do Planeta traz o desafio de pensar no meio ambiente pós-pandemia, diz Artur Bruno

As usinas formam o Complexo Eólico Ventos do Icapuí e São Felício, da Central Eólica São Felício. O empreendimento está projetado para ocupar 22,28 hectares da fazenda Flamengo II e parte dos imóveis contíguos Famosa e João Mole. A planta composta de 25 aerogeradores tem potência nominal conjunta de 86,6 megawatts. A energia elétrica a ser produzida está contratada pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), com início da entrega previsto para janeiro de 2022.

Relatório

O empreendimento é considerado de baixo potencial poluidor degradador pela legislação. De acordo com o Relatório de Impacto Ambiental (Rima) do projeto, 50% da área a ser ocupada pelo complexo encontram-se desmatadas, o que reduz a previsão de supressão vegetal. A ausência de recursos hídricos na poligonal evitará intervenções em área de preservação permanente. Nenhum sítio arqueológico foi identificado no local, informou o Iphan.

Ainda segundo o Rima, as torres serão erguidas a 10 quilômetros do litoral. As unidades de conservação mais próximas estão a 8 e 11 quilômetros. A residência mais próxima fica a 3,2 quilômetros, na localidade de Mata Fresca, onde 95% dos moradores aprovam o complexo. “Não há nenhum parâmetro ambiental ou socioeconômico que impeça a instalação do complexo”, afirmou a engenheira ambiental, Raíssa Santiago.

Veja também