2019 mal começou e já tem direcionamentos importantes acontecendo no Estado no que diz respeito à cultura. A Unifor está abrindo sua exposição sobre o Modernismo brasileiro em comemoração aos seus 46 anos e o Governador Camilo Santana encaminhou mensagem para a Assembleia Legislativa fomentando o Projeto de Lei que institui 2019 como o “Ano Cultural Sérvulo Esmeraldo“. Inclusive, o papel de Sérvulo no pioneirismo da arte cearense, sendo levada para o mundo inteiro através do seu nome foi decisivo na divulgação da cultura Nordestina.

E foi com emoção absoluta que o mundo artístico celebrou a abertura da nova exposição “Sérvulo Esmeraldo: Linguagens múltiplas“, no Instituto de Arte Contemporânea (IAC), Museu de Belas Artes de São Paulo, nesta quinta-feira, 14. Orquestrado pela galerista Raquel Arnaud e com curadoria de Vinícius Marangon, a mostra aborda a fase produtiva do cearense entre 1957 e o final dos anos 1970, quando morava em Paris, e apresenta os processos desenvolvidos pelo artista durante esse período, além de destacar suas distintas facetas criativas. “Muito simbólico que a primeira mostra comemorativa dos 90 anos do artista aconteça em São Paulo. Foi na capital paulista que Esmeraldo aportou, em 1951, onde logo tomaria parte na efervescência cultural na 1ª Bienal Internacional de São Paulo”, revela Dodora Guimarães, viúva e fundadora do Instituto Sérvulo Esmeraldo. Foi ela a responsável por receber as dezenas de convidados ilustres durante a vernissage.

Dodora Guimarães, Ana Maria Belluzzo, Aracy Amaral e Max Perlingeiro

“Incrível a ressonância da notícia do Ano Cultural Sérvulo Esmeraldo no meio artístico nacional. Todo mundo vibrando com esse grande exemplo dado pelo Ceará!”, finaliza.