Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Cinco livros sobre mulheres escritos por mulheres

9 mar 2021 | Lifestyle

Por Yohana Capibaribe

As mulheres carregam consigo milhares de histórias sobre si e sobre suas vivências. Contudo, a literatura ainda é um espaço majoritariamente masculino. Até o século XX, a mulher era recomendada a não publicar um título com o próprio nome. Com esses preconceitos, a representação das mulheres é feita através do olhar masculino, sem a devida representatividade. 

LEIA MAIS >>> Cearense primeira cacique mulher do Brasil é homenageada pelo Google

Duda Riedel compartilha o que aprendeu sobre sororidade

Confira cinco livros escritos por mulheres sobre mulheres. 

  • 1. A guerra não tem rosto de mulher, Svetlana Aleksiévitch
Nos filmes e nos livros de história, os homens são as vozes das guerras (Foto: Yohana Capibaribe)

Durante a Segunda Guerra Mundial, milhares de mulheres se voluntariaram para lutar pelo país. Neste processo, em um cenário de guerra – majoritariamente masculino – elas abdicaram, até mesmo, da feminilidade, por algo maior: a pátria. Contudo, essas vozes são ignoradas até hoje. Nos filmes e nos livros de história, os homens ganham destaque. 
No livro-reportagem de Svetlana Aleksiévitch, a jornalista conversa com algumas das mulheres que lutaram no Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial. As memórias evocam frio, fome, violência sexual e a sombra onipresente da morte.

  • 2. Terra das Mulheres, Charlotte Perkins Gilman
O livro serviu de inspiração para as amazonas da Mulher-Maravilha (Foto: Yohana Capibaribe)

Uma das obras feministas clássicas, a narrativa mostra como seria uma sociedade utópica composta unicamente por mulheres. A história acompanha três homens explorando a Terra das Mulheres e, assim, através das considerações deles, é exposto todo o preconceito que eles carregam. O livro serviu de inspiração para as amazonas da Mulher-Maravilha

  • 3. Três Mulheres, Lisa Taddeo 
A narrativa acompanha as vivências de Lina, Maggie e Sloane (Foto: Yohana Capibaribe)

A jornalista Lisa Taddeo acompanhou, durante anos, três mulheres de diferentes cidades dos Estados Unidos. O objetivo era falar sobre o desejo, a sexualidade, no ponto de vista de personagens distintas. Com depoimentos honestos e reais, a narrativa acompanha as vivências de Lina, Maggie e Sloane, que só querem ser admiradas, compreendidas e desejadas. 

  • 4. Persépolis, Marjane Satrapi
Nascida numa família moderna e politizada, em 1979, a autora assistiu ao início da revolução (Foto: Yohana Capibaribe)

É através dos quadrinhos que Marjane Satrapi conta a a história da sua infância e adolescência no Irã, durante a Revolução Islâmica. Com 10 anos, a autora se viu obrigada a usar o véu islâmico, numa sala de aula só de meninas. Nascida numa família moderna e politizada, em 1979 ela assistiu ao início da revolução que lançou o Irã nas trevas do regime xiita. Além de compreender todas as lutas de Marjane e os machismos impostos pelo governo, em Persépolis, o Irã parece um país muito mais próximo. 

  • 5. Primeiro eu tive que morrer, Lorena Portela
A narrativa se passa na Praia de Jericoacoara (Foto: Yohana Capibaribe)

Livro independente da jornalista cearense Lorena Portela, acompanha uma publicitária que adoece com a rotina agitada do trabalho. Precisando fazer uma pausa, a personagem recorre a um refúgio na Praia de Jericoacoara. Neste paraíso, ela conhece mais de si, sobre outras mulheres e sobre os vários tipos de morte, inclusive, a diária. Uma história sobre todas as mulheres.

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE