Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Priscilla Fontes conta como virou educadora parental após ser mãe

5 jun 2021 | Lifestyle

Por Jacqueline Nóbrega

O perfil no Instagram @portal.materno surgiu para compartilhar o que Priscilla aprendeu na preparação do parto de Caetano (Foto: Arquivo pessoal)

Foi em fevereiro de 2020 que a estudante de Psicologia Priscilla Fontes criou um perfil no Instagram, o @portal.materno, para compartilhar com seguidores tudo que o aprendeu durante a preparação para o parto do filho, Caetano – hoje com 1 ano e 10 meses. Mal sabia ela que, pouco mais de um ano depois, aquela página que tinha quase a função de um diário se transformaria em uma plataforma de conhecimento, focada em difundir a educação parental

LEIA MAIS >> Mila Menezes e Leonardo Pereira ‘fogem’ para casar no litoral de SP

Fotógrafa cearense se destaca com ensaios de família na Austrália

O conceito, explica Priscilla, parte da ideia de que os pais precisam se educar para educar os filhos, e foi a maternidade que acendeu nela o desejo de se tornar educadora parental. “Muitas vezes, os pais querem ensinar coisas para os filhos, mas as atitudes deles levam ao oposto. A todo momento, nós, pais, somos exemplo para nossas crianças. E as ações falam muito mais alto do que as palavras”, explica.

“Viemos de uma geração que não acreditava que os filhos precisavam ser tratados com o mesmo respeito que os adultos, e sei que repetimos muito da nossa educação de forma automática, sem pensar nas consequências disso e por não saber fazer diferente. E com isso não estou querendo culpar nossos pais. Acredito realmente que eles fizeram o melhor que podiam com as informações que tinham na época.  Por isso, comecei a sentir um desejo muito grande de ajudar outros pais a encontrar esse novo caminho, de respeito, firmeza e empatia”, acrescenta a mãe de Caetano. 

Rede de valores

Para se especializar no assunto, Priscilla fez o curso “Ensinando habilidades para criar filhos com a Disciplina Positiva”, da Associação Disciplina Positiva Brasil (PDA Brasil). A especialização é  reconhecida pela Positive Discipline Association, nos Estados Unidos. Antes mesmo de se aprofundar no tema, ela já aplicava alguns dos conceitos em casa, e agora, com o certificado em mãos, ela assumiu a missão de repassar para outros pais a Disciplina Positiva

“A ideia inicial é passar meu conhecimento através do Instagram, e no futuro, através de cursos, workshops e mentorias. Hoje estou cursando a graduação em Psicologia, e iniciando minha carreira como educadora parental”, define.

Agora ela tem como missão repassar o que aprendeu sobre Disciplina Positiva para outros pais (Foto: Arquivo pessoal)

Priscilla defende que os pais focados em valores como respeito, proatividade e cooperação criam seres humanos seguros, felizes, empáticos e generosos. “E isso pode mudar o mundo!  Antes de querermos que a criança saiba regular as próprias emoções, precisamos aprender a fazer isso com as nossas. Precisamos parar de gritar com eles, de perder o controle com facilidade e de acreditarmos que precisamos fazer as crianças se sentirem pior para que  ajam melhor. Educação Parental é sobre isso”, reforça. 

Diário parental

Hoje, o @portal.materno soma mais de 1.300 seguidores e motiva cada vez mais o trabalho de Priscilla, especialmente pelos feedbacks positivos que ela recebe dos pais e mães que a acompanham. “Eu ainda não me acostumei com o fato de impactar de forma real e positiva a vida das pessoas. E é isso que me faz ter cada vez mais vontade de seguir esse caminho”, defende. 

Além dos conceitos da Disciplina Positiva e educação parental, a estudante compartilha  no perfil os pensamentos sobre diversos temas, como não criar expectativa para os filhos e lidar com a birra e, principalmente, sobre como a maternidade leva as pessoas a reverem muito do que acreditam e defendem. 

“O assunto que pensei que mais geraria polêmica até hoje foi o fato de eu ter comprado bonecas para o meu filho e defendido os motivos pelos quais fiz isso. Mas, para a minha surpresa, a maioria respondeu minhas enquetes dizendo achar isso OK e que também se sentiria confortável em comprar”, lembra Priscilla. 

“A maternidade me apresentou novas questões e desafios, e fui querendo compartilhar. Até que mergulhei de cabeça na questão da educação respeitosa e senti um chamado muito grande para compartilhar esse conhecimento e poder ajudar outras famílias nesse caminho”, conclui. 

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE