logo

‘A moda tem uma capacidade de mobilização’, diz Lilian Pacce em live com Márcia Travessoni

Por Tainã Maciel
‘A moda tem uma capacidade de mobilização’, diz Lilian Pacce em live com Márcia Travessoni
Lilian Pacce esteve em Fortaleza em 2018, como uma das palestrantes do MaxiModa, evento promovido anualmente por Márcia Travessoni (Foto: Divulgação)

Longe de ser supérflua ou dispensável, a moda tornou-se um setor importante para a economia e vai além dos números, abraçando sonhos e promovendo solidariedade. Para falar sobre esse mercado, a jornalista Lilian Pacce, autoridade no assunto, conversou virtualmente com a publisher do Site MT, Márcia Travessoni, nesta segunda-feira (4).

A live foi realizada no Instagram de Márcia , com apoio do Hospital Gênesis, e integra a programação do #MinhaCasaExperience, projeto criado pelo Site MT com conteúdos especiais para o período de isolamento social.

LEIA MAIS >> ‘Empatia é o caminho’, diz Camila Salek sobre estratégias no varejo durante a pandemia

Marcas alteram lançamento de coleções e datas de liquidações; veja novo calendário

Na conversa, Lilian falou sobre seu incentivo ao movimento #EuApoioaModaNacional, iniciativa criada pelo fashion designer Sandro Barros, e que tem movimentado as redes sociais de vários produtores de conteúdo em prol do mercado brasileiro.

“A moda foi uma das primeiras indústrias a pensar em como ajudar durante a pandemia. Não só o seu próprio time, mas todo mundo que está na linha de frente. A moda tem essa capacidade de mobilização e solidariedade“, afirma.

Márcia Travessoni conduz live do projeto #MinhaCasaExperience com look 100% nacional, da Soul Glam, e joias Sandra Pinheiro

Reconhecendo a pluralidade e dimensão da moda nacional, Lilian falou sobre os impactos da pandemia nesse eixo. “A campanha que estamos apoiando é sobre essa cadeia que vai das rendeiras até as grandes empresas. Ela emprega 10 milhões de pessoas e 75% delas são mulheres. O mercado está com retração de até 90% de seu faturamento”, diz.

Durante a transmissão da live, a escritora também celebrou o último vídeo postado no seu canal do Youtube, nesta segunda-feira (4). Ele é “uma homenagem para quem faz moda no Brasil” e conta com a participação de 150 personalidades da área e celebridades, entre elas Camila Pitanga, Giovanna Ewbank, Thaila Ayala, Costanza Pascolato e Sabrina Sato.

Sobre os diferentes olhares pelo País, incluindo o Ceará, Lilian abordou o caminho que ainda deverá ser percorrido para uma valorização adequada do polo criativo brasileiro.

“Na última vez que estive aí no DFB foi uma coisa impressionante. Acho que a gente tem moda boa no Brasil inteiro. O bordado e a renda são muito valorizados lá fora. O que acontece para não ganharmos o cenário internacional? Acredito que a moeda é um dos fatores que dificultam o processo”.

Cenário futuro

Nada será como antes, segundo Lilian Pacce. No cenário pós-pandemia, sairão de cena marcas que não conhecem o seu DNA e surgirão no palco ações tecnológicas e criativas. “Esse é um momento bom para o mercado rever práticas que não servem mais e algumas marcas estão fazendo o dever de casa”.

Um exemplo dessas mudanças poderá ser refletido no mercado de luxo, segundo ela. “Quando surgir o fast fashion, que tem uma rotatividade maior, o mercado de luxo enlouqueceu e quis seguir essas normas. Mas o que é bom para um nem sempre é para o outro”.

Além de integração com a tecnologia, o próximo passo da moda, de acordo com Lilian, será “com melhores condições de trabalho e mais providência para a sustentabilidade”.

Veja também