Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Atleta se lesiona e termina prova mancando; mulheres lideram momentos de superação e empatia nas Olimpíadas

4 ago 2021 | Notícias

Por Redação

Katarina Johnson-Thompson deu uma aula de superação em Tóquio (Foto: Reprodução/Instagram)

Garra, empatia, emoção … As Olimpíadas de Tóquio chegaram para relembrar toda a magia que os esportes podem proporcionar, trazendo momentos que ficarão marcados na história. Exemplo desse movimento, a britânica Katarina Johnson-Thompson deu uma aula de superação na manhã desta quarta-feira (4). Favorita na prova dos 200 metros rasos do heptatlo, a atleta sentiu dores na região do tendão de Aquiles durante a prova e não conseguiu acompanhar as concorrentes. Decepcionada com a situação, a representante do Reino Unido caiu na pista e viu o atendimento chegar com a cadeira de rodas. Porém, ela recusou ajuda no momento para completar o circuito mancando. Mesmo com todo o esforço, Thompson acabou sendo eliminada por ter invadido outra raia enquanto estava no chão, mas foi responsável por uma das cenas mais emocionantes das Olimpíadas. Assista ao vídeo:

LEIA MAIS >> Ana Marcela é segunda nordestina a conquistar ouro nas Olimpíadas de Tóquio

O que são os twisties, mal que quase tirou Simone Biles de Tóquio

Em Tóquio, outros momentos marcantes foram protagonizados por mulheres. A empatia de jovens skatistas alavancou o sucesso do esporte nas Olimpíadas, por exemplo. De casa, o público foi conquistado pelos abraços entre as atletas, que vibravam com a performance das outras, e o apoio demonstrado às competidoras quando sofriam quedas, reforçando uma linda mensagem de respeito entre si.

Após queda, a skatista Misugu Okamoto foi apoiada pelas adversárias (Foto: Reprodução/Instagram)

Inclusive, o Skate Park foi palco de uma cena memorável, nesta quarta-feira (4): a japonesa Misugu Okamoto esteve entre as três melhores durante as eliminatórias e as finais da prova, caiu na última bateria e acabou perdendo o bronze para Sky Brown, da Grã-Bretanha. Ao sair da pista, visivelmente chateada, chorou muito e foi acolhida e carregada no colo pelas outras outras atletas. Exemplo!

A sororidade em Tóquio também foi percebida durante o recorde histórico atingido pela colombiana Yulimar Rojas no salto triplo — a primeira atleta do seu país a ganhar ouro nas Olimpíadas. Os internautas se emocionaram ao testemunhar a espanhola Ana Paleteiro comemorar o feito com um caloroso abraço. A adversária ficou com o bronze. Esse é o espírito olímpico!

LEIA MAIS >> Moda nas Olimpíadas: uniformes de grifes e repúdio à sexualização feminina são destaques; veja looks

Rayssa Leal, a Fadinha, faz história aos 13 anos com prata em Tóquio

Quase um record

Estreante nos Jogos Olímpicos, a escalada rendeu uma cena memorável. A polonesa Aleksandra Miroslaw quase quebrou o recorde mundial de velocidade na qualificatória, com 6,97 segundos – apenas um centésimo atrás da melhor marca já feita. Ela não segurou a emoção ao terminar a prova e foi apelidada de “spiderwoman” (mulher aranha) na web.

Aleksandra Miroslaw se emociona após quase quebrar record mundial (Foto: Reprodução/Twitter)

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE