logo

Móveis para quarto são os mais exportados do Ceará

Por Redação
Móveis para quarto são os mais exportados do Ceará
O kit que inclui cama, criados mudos e cômoda é o mais vendido especialmente para o público norte-americano, segundo o presidente do Sindmóveis. (Foto: Reprodução/ Instagram Jacaúna Móveis

Este ano vários setores registraram queda na produção e nas vendas devido aos desafios econômicos e sanitários impostos pela pandemia da Covid-19. No entanto, o setor moveleiro no Ceará está em alta nas exportações, segundo atesta o presidente do Sindicato das Indústrias do Mobiliário do Ceará (Sindmóveis) e dono da Osterno Móveis, Osterno Júnior. Os móveis para dormitório, sala de jantar e sofás são os produtos cearenses mais comprados pelos estrangeiros. 

LEIA MAIS >> Ceará deve receber 1,7 milhão de doses de vacina no primeiro semestre de 2021, afirma Camilo Santana

2021 será o primeiro bom ano da construção civil, projeta Beto Studart

De acordo com Osterno Júnior, os norte-americanos e europeus são os maiores importantes dos móveis locais, sendo que o campeão de vendas é o conjunto para dormitório, composto por uma cama, dois criados mudos, uma cômoda baixa, uma cômoda alta e um espelho. Os norte-americanos, observa ele, optam por comprar móveis já montados. “Para não ter problema de montar no destino, uma vez que a mão de obra nos Estados Unidos é bastante cara”, explica. 

“Acredito que os americanos optam por comprar o conjunto para dormitório porque as casas dos Estados Unidos possuem mais quartos, e também em razão do poder aquisitivo, por isso eles compram dormitórios de bom valor”, avalia o empresário.

Além dos Estados Unidos, o Ceará também exporta móveis em grande quantidade para países da América Latina como Argentina e Chile. Nestes casos, salienta Osterno Júnior, a busca é maior por peças desmontadas. “Eles compram móveis desmontados porque sai mais barato, a mão de obra não é muito alta, e eles também preferem pagar menos frete e montar o móvel no destino”, acrescenta.   

Design

Os design dos móveis cearenses exportados é inspirado nos modelos italianos, líderes no segmento. “Geralmente, uma parte o cliente indica como quer o design dos móveis, e as empresas cearenses são responsáveis por desenvolver a outra parte”, detalha o presidente do Sindmóveis.

Os móveis para dormitório, sala de jantar e sofás são os produtos cearenses mais comprados pelos estrangeiros. (Foto: Reprodução/ Instagram Jacaúna Móveis)

O público norte-americano é mais conservador com a estética, e continua comprando móveis com design da década de 1980. “Eles são bastante conservadores, então continuam pedindo o mesmo modelo de 30 anos atrás. Mas vendemos tudo, desde móveis com design nosso com cores diversas até encomendados pelos clientes de fora”, conta.

Lenta recuperação

O bom momento que faz o setor moveleiro ir na contramão da crise se deve, conforme Osterno Júnior, ao dólar favorável desde o ano passado, o que permite a competição com os maiores concorrentes dos móveis cearenses: os asiáticos. “Não exportamos ainda mais porque está faltando matéria-prima”, justifica.

A boa fase influenciará o mercado interno, conforme projeta Osterno Júnior, e tem grandes chances de manter a boa performance em 2021. “Nós vamos voltar a exportar muito para os Estados Unidos, o país que mais compra móveis no mundo, por conta do câmbio que está favorável”, projeta.

LEIA MAIS >> Ricardo Cavalcante lidera comitiva para assinatura de MPs na Bahia

Fiec lança dossiê de desenvolvimento na última reunião de 2020

Os bons resultados das empresas associadas ao Sindmóveis em exportação estão vindo após o programa Ceará Móveis Export, realizado em 2016 e 2017 pelo sindicato, Centro Internacional de Negócios da Fiec e Unifor. O foco foi a prospecção de mercados internacionais.

No entanto, segundo o presidente do Sindmóveis, o estado ainda não atingiu o patamar de exportação dos anos 2000 a 2008, quando os níveis eram maiores em comparação aos atuais. “A gente sempre compara com as melhores épocas. A luta, o objetivo é chegar aos patamares dos anos 2002, 2003 e 2004 quando os níveis eram muito bons”, finaliza.  

Veja também