logo

Setor imobiliário sofrerá fortes consequências devido à pandemia, avalia Otacílio Valente

Por Redação
Setor imobiliário sofrerá fortes consequências devido à pandemia, avalia Otacílio Valente
Empresário julga que o impacto negativo deve ocorrer porque, nos próximos meses, haverá uma queda na renda dos prováveis clientes, (Foto: Divulgação)

O governador Camilo Santana divulgou, nesta quinta-feira (28), o plano de retomada econômica, que terá início na próxima segunda-feira (1°), quando passa a valer também o novo decreto de isolamento social. Na “fase de transição”, em que 17 atividades foram autorizadas a retornar, está o setor imobiliário, com algumas orientações. De acordo com o presidente da Construtora Colmeia, Otacílio Valente, por causa da pandemia, a área sofrerá fortes consequências no que diz respeito à aquisição de bens pelos clientes.

Ele avalia que o impacto negativo na comercialização deve ocorrer porque, nos próximos meses, haverá uma queda na renda dos prováveis clientes, o que acarretará efeitos significativos na venda de automóveis e imóveis que tenham um preço mais elevado.

LEIA MAIS >> Retornaremos com muito critério, diz Ricardo Cavalcante sobre retomada

‘Você precisa fazer sua parte como cidadão’, afirma médica Niedja Bezerra sobre isolamento social

“Os impactos econômicos negativos no setor são enormes, e o retorno apenas corrige o erro praticado contra a construção civil com a inexplicável paralisação. Apenas três estados do país adotaram isso, e não há nenhuma evidência que trouxe algum ganho efetivo no controle da doença“, pontua o empresário, que é também Diretor de Investimentos Internacionais do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Ceará (Sinduscon-CE) .

Segundo o plano de retomada econômica do Ceará, 31% da cadeia da construção civil deve retornar na próxima segunda-feira (1°). Algumas medidas preventivas, no entanto, devem ser cumpridas, para que não haja contágio entre os funcionários das empresas.

Otacílio Valente informa que o protocolo a ser adotado já havia sido proposto pelo Sinduscon-CE ao longo das reuniões que o setor teve com os representantes do Governo do Estado. Entre as normas:

  • Medir a temperatura dos funcionários no início do expediente
  • Manter distanciamento físico entre os funcionários nos locais de trabalho e durante os lanches de café da manhã e almoço
  • Limites de, no máximo, 100 trabalhadores por canteiro
  • Os colaboradores de grupo de risco não estão autorizados a retornar ao trabalho
  • Acompanhamento diário de qualquer alteração no estado de saúde diário dos colaboradores
  • Fornecimento de kits de higiene contendo máscaras, álcool gel, etc
  • Instalação nos locais de trabalho de boxes de higiene individual com lavatório, álcool gel, água e sabão
  • Palestras com apresentação de vídeos de orientação e conscientização para os cuidados para proteção contra o Covid-19

Veja também