logo

Sistema educacional brasileiro precisa ser inovado no pós-crise, propõe Viviane Senna

Por Redação
Sistema educacional brasileiro precisa ser inovado no pós-crise, propõe Viviane Senna
Para ela, é necessário que as instituições desenvolvam habilidades socioemocionais em crianças e adolescentes para que eles saibam lidar com as questões e conflitos da vida pessoal e profissional. (Foto: Reprodução)

A presidente do Instituto Ayrton Senna, Viviane Senna, participou, nesta quinta-feira (7), de uma videoconferência realizada pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide Ceará) para falar do sistema educacional brasileiro, que, acentua, deve ser inovado para que haja uma recuperação após a crise sanitária do novo coronavírus. Para ela, é necessário que as instituições desenvolvam habilidades socioemocionais em crianças e adolescentes para que eles saibam lidar com questões e conflitos da vida pessoal e profissional.

Na avaliação da gestora, o sistema educacional do país tem uma modalidade industrial, no qual os alunos não têm um atendimento personalizado e aprendem os mesmos assuntos, o que, avalia, não é mais suficiente. “Faço uma analogia que o sistema educacional é uma velha senhora, que tem 200 anos, e que faz a mesma coisa para o mesmo cliente e para um padrão de mundo que já não existe mais. Será que ela dá conta? O que tem feito?”, questiona.

LEIA MAIS >> Mulheres são maioria em cursos de educação profissional

Igor Queiroz Barroso recebe prêmio por projeto de educação infantil humanizada

Viviane Senna considera necessário que as instituições desenvolvam habilidades socioemocionais em crianças e adolescentes, uma vez que essas competências serão refletidas futuramente, na vida pessoal e no mercado de trabalho. “As pessoas são admitidas pelas experiências cognitivas, técnicas, e são demitidas por questões atitudinais, posturas. As novas gerações têm pouquíssima capacidade de resistir à frustração“, explica.

Conforme a presidente do Instituto Ayrton Senna, as relações humanas já vinham sendo modificadas. Para ela, após a pandemia, o processo de mudanças será acelerado. “Precisamos formar as pessoas de maneira mais plena. Temos a ajuda da tecnologia, que vai ajudar esse processo de individualização. O mundo vai querer a gente por inteiro”, ressalta Viviane Senna, salientando que sociedade e governo devem unir forçar para que isso ocorra.

“As pessoas chegam ao mercado de trabalho despreparadas. Tem uma frase do Aristóteles que diz: ‘Educar a mente sem educar o coração não é educação’. Para resolvermos questões públicas, precisaremos de um esforço coletivo. Frente a uma ética de desresponsabilização, precisamos ter uma corresponsabilização“, afirma a gestora.

Reunião do Grupo de Líderes Empresariais ocorreu por videoconferência

Desenvolvimento crítico

O vice-presidente do Instituto Ayrton Senna, Mozart Ramos, pontua que as organizações estão vendo o diploma apenas como um ponto de partida. Se os profissionais não desenvolverem outras competências ou estiverem preparados somente para questões rotineira, aponta, serão substituídos por robôs. “Quem está preparado para o desenvolvimento critico, quem é criativo, será mais valorizado”.

Para ele, a má formação dos jovens brasileiros vista hoje em dia acarretará no número de desempregados no país. Para evoluir, acredita, é preciso investir em uma educação de qualidade dos professores, fazendo da tecnologia uma aliada. “Existe um universo de ferramentas que podemos utilizar. Um professor bem formado e um material didático dialogando com essa formação faz toda diferença”, assegura Mozart Ramos.

Veja também