logo

Ceará tem vantagens comparativas para abrigar refinaria, defende consultor econômico

Por Redação
Ceará tem vantagens comparativas para abrigar refinaria, defende consultor econômico
O governador Camilo Santana assinou um memorando de entendimento com a Noxis Energy para a construção do empreendimento no Pecém. (Foto: Divulgação)

A assinatura do memorando, na última quarta-feira (16), para negociar a instalação de uma refinaria no Ceará reacende a esperança de abrigar um empreendimento que não apenas é aguardado pelos cearenses, como pode garantir um grande impulso à economia do estado. “Acho que a tendência é que a gente esteja sempre aberto para receber um empreendimento dessa natureza, já que temos vantagens comparativas que nos levam a entender que estaríamos em um ponto viável para ter um empreendimento dessa natureza”, defende o consultor econômico Alcântara Macêdo. O memorando foi assinado pelo governador do Ceará, Camilo Santana, e a Noxis Energy para a instalação de uma refinaria de petróleo no Pecém.

LEIA MAIS >> Fiec assina acordo com o Ministério da Economia para reduzir Custo Brasil

Todas as regiões do Ceará entram na 4º fase do plano de retomada econômica a partir de segunda-feira, anuncia Camilo Santana

O Ceará, segundo o consultor econômico, já provou que está pronto para receber a refinaria. “O estado detém todas as condições vocacionais [para implementar o projeto]. As probabilidades técnicas já foram perfeitamente demonstradas em governos anteriores e até para o mercado nacional e internacional”, considera. Ele avalia que a instalação de refinarias não só no Ceará, mas em todo Brasil são necessárias a fim de “minimizar a distribuição e os custos dos derivados de petróleo no País”. 

Negociação

O memorando de entendimento assinado por Camilo Santana e representantes da Noxis Energy, empresa brasileira que trabalha no refino de petróleo em plantas instaladas ao longo da costa brasileira, prevê a instalação de uma refinaria de petróleo na área da Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE), no Pecém. O prazo de implementação do projeto será de 30 meses após o licenciamento ambiental.

O projeto, que terá um investimento de R$ 4,240 bilhões, prevê ainda a geração de 150 empregos diretos e cerca de 3 mil indiretos. A refinaria terá como foco a produção de óleo combustível marítimo (bunker), com capacidade de refino de 50.000 BBL/dia, e quando totalmente implantada a produção prevista é de 1,5 milhão de toneladas/ano de combustível, até 2025.

(Foto: Divulgação)

“Sempre tivemos um objetivo de implantar no Ceará uma refinaria e uma siderúrgica. Em 2017 conseguimos abrir a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), formada pela brasileira Vale e as coreanas Dongkuk e Posco, um grande investimento de todas as partes. Agora, para a instalação da refinaria da Noxis Energy, nós também nos colocamos a disposição para viabilizar a instalação, é um grande investimento para o nosso Estado e para os cearenses”, disse o chefe do Executivo estadual durante a assinatura do memorando. 

LEIA TAMBÉM >> Camilo Santana anuncia novos investimentos no Programa Mais Infância

Ricardo Cavalcante apresenta hub de empreendedorismo e lança Guia Ágil

Segunda refinaria

Em entrevista ao Diário do Nordeste na última quarta-feira (16), o secretário de Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Estado, Maia Júnior revelou que o governo do Estado tem negociado uma segunda refinaria no Ceará, que terá como foco a produção de combustíveis para abastecimento do mercado interno, como gasolina e diesel. Entretanto, o novo projeto ainda está em fase de prospecção, sem previsão de confirmação para um novo acordo. A demora, segundo o secretário, se dá porque essas negociações consideram a evolução gradativa da economia

O segundo projeto também envolve a Noxis Energy, e, apesar da perspectiva a longo prazo, deve, pontuou o secretário, gerar pelo menos 150 empregos diretos e 3 mil indiretos durante a construção do empreendimento. Na fase de operação, por sua vez, Maia Júnior considera que os processos dependerão de processos tecnológicos avançado, como automação e robótica

“Eu participei dos projetos anteriores, e o meu sentimento, dessa vez, está mais favorável por conta desse projeto estar associado a uma lógica de mercado muito forte. Serão 150 empregos diretos para que a refinaria funcione em três turnos. Esse projeto vai funcionar com um processo de altíssimo grau de automação e robótica”, afirmou o secretário.

Veja também