logo
X

Maria Vital encerra gestão no Rotary e elenca ações sociais da organização na pandemia

Por Itallo Rocha
Maria Vital encerra gestão no Rotary e elenca ações sociais da organização na pandemia
De acordo com a professora universitária de Direito, que foi a primeira mulher cearense a governar o Distrito 4490, a gestão foi marcada por uma série de transformações no mundo, bem como na instituição. (Marília Camelo)

Há mais de 20 anos no Rotary International exercendo várias funções e promovendo ações sociais, a professora universitária de Direito Maria Vital despediu-se, na última terça-feira (30), do governo do Distrito 4490, após um ano no cargo, seguindo o tempo determinado pela instituição. De acordo com ela, que foi a primeira mulher cearense a governar o Distrito 4490, a gestão foi marcada por uma série de transformações no mundo, bem como na entidade filantrópica.

A professora universitária explica que conheceu o Rotary International em 1997, por meio do marido, Agernon Tabosa, que também governou o Distrito 4490. Neste, lembra, ela integrou algumas comissões em gestões passadas, e exerceu várias funções no Rotary Club de Fortaleza-Alagadiço, o qual foi presidente em 2015.

LEIA MAIS >> Rotary International lança campanha de combate à violência doméstica na quarentena

Rotary International investe mais de R$ 100 mil no combate ao novo coronavírus no Ceará, Piauí e Maranhão

Durante a pandemia, relata Maria Vital, os 1.700 integrantes do Distrito 4490, que atuam em 76 clubes no Ceará, Piauí e Maranhão, estiveram presentes em diversas frentes para ajudar pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social, no combate à fome, à sede, bem como a outras necessidades de pessoas de baixa-renda.

“Reagimos rápido, fomos eficientes e percebemos que não podíamos cruzar os braços e esperar a pandemia passar. Foi um ano desafiador, mas fizemos da crise uma oportunidade para servir com eficiência, através da nossa conectividade e da nossa capilaridade”, diz.

Ações sociais

O grupo, afirma Maria Vital, distribuiu alimentos, água potável, cadeiras de rodas e Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s), fez testagem para o novo coronavírus, enfrentou a questão da violência doméstica, que, destaca, se agravou no período da quarentena, e continuou a campanha de erradicação da polio no mundo.

“Focamos em trabalhos comunitários e em companheirismo, entre nós mesmos. Disso surge o nosso entusiasmo para trabalharmos juntos, em projetos comunitários, visando transformar vidas”, pontua, acrescentando que a fundação liberou milhões de dólares para que os rotarianos atendessem as necessidades sociais das comunidades.

Maria Vital na cerimônia de posse do governo do Distrito 4490, no Theatro José de Alencar. (Foto: Alex Campêlo)

União

A professora universitária de Direito foi a primeira mulher do Ceará a governar o Distrito 4490 do Rotary International, grupo em que, evidencia, os integrantes se tratam como companheiros, o que, conforme Maria Vital, significa que, em qualquer situação, eles se mantêm unidos.

“Fizemos um trabalho de equipe, com tranquilidade, simplicidade e empatia. E tivemos um bom resultado, com realizações positivas para todos, que engrandecem o nosso Distrito 4490 no cenário local, mas também no nacional e internacional”, assegura.

LEIA TAMBÉM >> Intercâmbio promovido pelo Rotary International leva jovens para conhecer culturas de outros países

Rotary International: conheça a instituição que busca melhorar a sociedade por meio do serviço humanitário

Foco

Maria Vital garante que, embora não seja mais a governadora do Distrito 4490, ela continuará no Rotary International, e as ações sociais continuarão, dando enfoque na paz e resolução de conflitos; prevenção e tratamento de doenças; água e saneamento; saúde materno-infantil; educação básica e alfabetização; e desenvolvimento econômico e comunitário.

“É muito gratificante ver o resultado das nossas ações que visam transformas vidas, de forma duradoura. Ajudamos pessoas que não conhecemos, mas sabemos que elas precisam de nós. É nessas pessoas que investimos nosso recursos. Elas também não nos conhecem, mas sabem que podem conosco. Servir é o nosso objetivo, e isso nos torna pessoas privilegiadas“, frisa Maria Vital.

Veja também