logo

Fortaleza elegeu nove mulheres vereadoras; duas são pretas

Por Yohana Capibaribe
Fortaleza elegeu nove mulheres vereadoras; duas são pretas
Fortaleza deve ter o primeiro mandato coletivo, quando o vereador eleito compartilha as decisões com um grupo de pessoas, com o Coletivo Nossa Cara (PSOL), formado por Lila M. Salu, Louise Santana e Adriana Gerônimo (Foto: Reprodução/Instagram)

Após a apuração de 100% das urnas no domingo (15), foram definidos os 43 vereadores que devem compor a Câmara Municipal de Fortaleza, de 2021 a 2024. Entre os eleitos, nove são mulheres, o que representa um aumento de 50% da ocupação feminina em relação a última eleição, em 2016, quando foram eleitas apenas seis candidatas para ocupar o legislativo da Capital.

LEIA MAIS >> Luana Génot fala sobre a urgência de um mercado de trabalho inclusivo

Campanha Ceará Sem Racismo é finalista da 17ª edição do Prêmio Innovare

Entre as vereadoras eleitas, duas informaram ser pretas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE): Adriana do Nossa Cara (PSOL), que disputou a primeira eleição; e Tia Francisca (PL), que tinha concorrido em 2014, mas sem vitória. Além delas, três candidatas devem ocupar a Casa Legislativa pela primeira vez no próximo ano: Estrela Barros (Rede), Enfermeira Ana Paula (PDT) e Kátia Rodrigues (Cidadania).

Ana do Aracapé (PL) teve a primeira vitória este ano, mas já tinha ocupado o cargo durante quatro meses, para substituir Priscila Costa (PRTB), que tirou uma licença para assuntos particulares. Já as vereadoras Cláudia Gomes (DEM), Priscila Costa (PSC) e Larissa Gaspar (PT) conquistaram a reeleição nestas disputas municipais.

Coletivo feminino

Em 2021, Fortaleza deve ter o primeiro mandato coletivo, quando o vereador eleito compartilha as decisões com um grupo de pessoas. A vereadora Adriana Gerônimo é a representante do coletivo Nossa Cara, coletivo de mulheres pretas e periféricas, composto também por Lila M. Salu e Louise Santana.

Entre as pautas discutidas por elas, as principais são cultura, educação e direito à cidade. Com as propostas de estruturação das escolas, incentivo a projetos sociais, regulamentação fundiária, política de assistência social, fiscalização dos contratos de transporte coletivo, entre outras.

Conforme levantamento do Centro de Política e Economia do Setor Público (Cepesp) Fundação Getúlio Vargas, as candidaturas coletivas se multiplicaram nos últimos quatro anos. Em 2016, eram apenas 13 registros, já em 2020, o número saltou para 257.

O modelo não está previsto na lei, dessa forma, deve haver um acordo informal entre os participantes do coletivo.

Vereadoras

Priscila Costa (PSC) – 14.606 votos

(Foto: Reprodução/Facebook)

Enfermeira Ana Paula (PDT) – 10.084 votos

Foto: Reprodução/ Facebook

Adriana do Nossa Cara (PSOL) – 9.824 votos

Louise Santana, Lila M. Salu e Adriana Gerônimo compõem o mandato coletivo (Foto: Reprodução/ Instagram)

Cláudia Gomes (DEM) – 8.614 votos

(Foto: Reprodução/ Câmara Municipal)

Larissa Gaspar (PT) – 8.555 votos

(Foto: Reprodução/Facebook)

Ana do Aracapé (PL) – 5.916 votos

(Reprodução/ Câmara Municipal)

Tia Francisca (PL) – 5.791 votos

(Reprodução/Instagram)

Estrela Barros (Rede Sustentabilidade) –  4.928 votos

(Reprodução/Facebook)

Kátia Rodrigues (Cidadania) – 3.706 votos

(Reprodução/Facebook)

Veja também