logo

Além da edição: como Thiliê, Rebeca e Olga se descobriram artistas

Por Redação
Além da edição: como Thiliê, Rebeca e Olga se descobriram artistas
Rebeca Melo começou a pintar aquarelas quando ainda era criança, e hoje imprime os traços das ilustrações que produz sobre diversas telas. (Foto: Marília Camelo)

Telas, pôsteres, porcelanas e paredes são algumas das telas nas quais Thiliê Aragão, Rebeca Melo e Olga Leite Barbosa expressam as respectivas habilidades artísticas. Entrevistadas na última edição da revista Gente por Márcia Travessoni, elas contaram de que forma constroem ilustrações e projetos cheios de personalidade para aplicar em paredes e deixar ambientes com uma identidade única. Aqui, elas revelam como descobriram o próprio processo artístico.

ACESSE AQUI A REVISTA GENTE POR MÁRCIA TRAVESSONI

Nome por trás da Bossa on The Wall, Thiliê tem no ano de 2004 a primeira memória com tintas e tela: uma paisagem simples pintada com guache. Anos depois, ela apresentou o trabalho de conclusão de curso de Psicologia em formato de livro ilustrado com letras de música da Bossa Nova, e foi quando a veia artística passou a pulsar mais forte. “Uma amiga me disse uma vez: ‘Cara, tu tem um dom. Tu não pode abandonar isso. A psicologia não tem nada a ver com isso’.

Criadora da Bossa on The Wall, Thiliê Aragão começou vendendo pôsteres de músicas e hoje aplica ilustrações de lettering em paredes. (Foto: Marília Camelo)

LEIA MAIS >>> O papel da economia criativa na retomada, por Cláudia Leitão

 Além da edição: como é fotografar Bob Wolfenson

A Bossa on The Wall surgiu para comercializar pôsteres de músicas ilustradas e acabou se expandindo para telas em tamanho master. Na mesma época, o boom das grandes lousas negras que preenchiam paredes virou moda, e Thiliê decidiu investir. “O primeiro cliente me pediu que fizesse um desenho para adesivar uma parede. Eu sempre achei que o acabamento do adesivado não ficava bom. Pedi para pintar direto na parede. E desde então, esse é o nosso carro-chefe”, conta ela.

Murais estampados

Para Rebeca Melo, o universo artístico está na rotina dela desde pequena, quando ela pintava com aquarela sobre o papel. Hoje, ela atua como estilista e ilustra murais sob encomenda. “No papel você acaba tendo maior controle da tinta, principalmente por ser sobre uma mesa. Isso no meu caso, porque quase sempre eu uso aquarela, então existe uma demão grande de água e reproduzir isso na parede ou numa tela em pé se torna um pouco mais complicado por acabar escorrendo muito”, explica ela sobre o trabalho em paredes.

Rebeca Melo é íntima do universo artístico desde pequena, quando pintava aquarelas em papel. (Foto: Marília Camelo)
Traço de Rebeca Melo. (Foto: Marília Camelo)

As redes sociais foram os primeiros canais utilizados por Rebeca para conseguir encomendas. As postagens do trabalho no Instagram começaram a fazer sucesso e os pedidos surgiram, seguidos de parcerias com outras lojas.

Jeitosa na arte

A habilidade com trabalhos manuais também vem desde a infância da ceramista e artista plástica Olga Leite Barbosa. Aos 13 anos, ela já era bastante elogiada pelos pais e professores: “Diziam que eu era jeitosa”. Hoje, ela segue se reinventando em cerâmica, quadros, móveis e paredes.

LEIA TAMBÉM >> Além da edição: como as marcas cearenses se reinventaram na quarentena

Além da edição: veja os bastidores da entrevista com Karim Aïnouz

“Eu já fui professora de porcelana. Meu mestre na pintura a óleo foi o experiente Marcos Jussiê. Na minha vida, estudei muito o suíço Jean-Pierre Chabloz. Fiz muitos cursos, viajei para São Paulo, Rio de Janeiro. Fiz universidade somente depois de muito tempo, porque quando casei não era algo tão importante. Sou formada em Ambientação e Design. Sempre que tive a oportunidade, eu estudei”, orgulha-se.

Foto: Marília Camelo

A cearense aprendeu a ser prática. Para muitos dos trabalhos de hoje, usa decalques, que são cópias de determinadas imagens feitas em papel afim de que se possa reproduzi-las em outro local. “E aí me perguntam, ah, por que você usa decalques? É como se me perguntasse por que eu uso o ferro elétrico em vez do de carvão, entende? É praticidade, comodidade. Hoje eu vou reparando as minúcias de um trabalho à medida que vou fazendo. Reparando se falta luz, se faltam cores, tudo à medida que vou desenhando”, exemplifica.

A matéria sobre o trabalho que Thiliê, Rebeca e Olga desenvolvem em murais personalizados pode ser lida na revista Gente por Márcia Travessoni.

Veja também