logo

Maria Rebeca Agra conta como encarou o estrabismo e compartilha o amor pela arte no Instagram

Por Cintia Martins
Maria Rebeca Agra conta como encarou o estrabismo e compartilha o amor pela arte no Instagram
Maria Rebeca Agra utilizou as redes sociais para falar sobre a busca por mudanças a partir da própria cirurgia de correção de estrabismo (Foto: Alex Campêlo)

Estudante de Fonoaudiologia e criadora de conteúdo Maria Rebeca Agra, 21, utilizou as redes sociais em agosto deste ano para falar sobre a busca por mudanças a partir da própria cirurgia de correção de estrabismo. Em entrevista ao Site MT, Rebeca, que é irmã do ator global Jesuíta Barbosa, aborda os fatores que contribuíram para escolha do procedimento cirúrgico.

LEIA MAIS >> Carol Azin inspira autoaceitação e estimula busca da liberdade no Instagram

Marissa Pimenta questiona padrões e mostra beleza real nas redes sociais

Patologia oftalmológica que gera desalinhamento dos olhos, o estrabismo, acompanhou Rebeca desde a infância, o que gerou bullying e perseguição pela condição reversível, afetando, inclusive, a saúde mental da estudante. Decidir pela cirurgia não foi um processo fácil, narra ela, que ganhou o apoio da mãe, Elizabeth Agra, e do irmão Jesuíta Barbosa, e também dos seguidores que acompanharam os momentos pré e pós-cirurgia, compartilhados nas plataformas digitais a fim de encorajar a busca por mudanças. 

A cearense Maria Rebeca compartilhou os detalhes da cirurgia nas plataformas digitais (Foto: Alex Campêlo)

“Antes, não queria fazer de modo algum [a cirurgia]. Tentei aceitar minha diferença e permanecer com ela, mas como consequência de muito bullying que sofri, a minha saúde mental não aguentava mais, eu não aguentava mais me olhar. Tomei a decisão de fazer por mim mesma essa cirurgia”, justifica. 

Resiliente, ela diz que o procedimento de reversão do estrabismo, que aconteceu no dia 11 de agosto, deve ser visto como uma mudança necessária de fortalecimento pessoal. “Devemos quebrar os padrões de beleza”, destaca. Além disso, ela afirma que a cirurgia mostrou a verdadeira beleza. 

“A cirurgia não sarou ou cobriu as dores do passado, de modo algum, mas fez eu me entender comigo mesma hoje em dia. Percebi que minha beleza vai muito além do físico, ela tá na minha alma. Hoje, me sinto realizada”, destaca. 

LEIA TAMBÉM >> Lívia Moreno se divide entre a Medicina e produzir conteúdo para o Instagram

‘É sobre você amar as belezas e também as adversidades’, diz Ju Ferraz sobre o movimento body positive

Lugar da arte

A arte é outra vertente do conteúdo que Rebeca compartilha nas redes sociais, uma vez que a música sempre teve lugar na vida dela. “Sempre expus ao mundo meu lado artístico, é algo tão natural que ao transmitir música sinto que estou transmitindo amor. [A arte] é algo essencial nesse mundo em que vivemos, a arte dá cor à vida”, destaca. 

A música sempre esteve presente na vida de Maria Rebeca (Foto: Alex Campêlo)

Ela diz que é por meio das performances que consegue se expressar corporalmente, sentimentalmente e transmitir sensações para as pessoas. “A música ocupa meu corpo por inteiro e minha vida, ela é o amor que me completa, quem sou e o sentido do porquê estou aqui”, diz. 

LEIA TAMBÉM >> Ricardo Bacelar lança single ‘Nada será como antes’ com Delia Fisher

Espaço Mostra Iguatemi abre para visitação com exposição ‘Veredas’ 

Maria Rebeca (Foto: Alex Campêlo)

A veia artística, relembra, é influência do irmão e da mãe, que lhe apresentaram a MPB. “Lembro como se fosse hoje. Estava assistindo ao DVD de um show da cantora Maria Rita, enquanto minha mãe cantava pela casa Elis Regina e Elba Ramalho. Cresci com referências musicais belíssimas”, relata. 

Maria Rebeca com a mãe, Elizabeth Agra, de quem herdou o amor pela música, em especial a MPB. (Foto: Alex Campêlo)

Além disso, a família também foi responsável pelo apoio financeiro com os estudos artísticos. “Meu irmão e minha mãe contribuíram sempre com meus estudos musicais: aulas de canto, instrumentos musicais, piano, teclado, violão, flauta e aula de canto. Recentemente comecei a fazer um curso de música. Meu irmão e minha mãe, são meus pés, a minha base”.

Curiosidade online 

Ela conta que a relação com a internet, na verdade, é de curiosidade. Nas plataformas digitais, Rebeca aborda assuntos pessoais, como a cirurgia de correção de estrabismo, a fim de despertar uma consciência coletiva e encorajar os seguidores a buscarem mudanças e serem mais fortes. “Mas, às vezes, também gosto de afrontá-los com questionamentos e ideias que os levem a pensar fora da caixa”. Com isso, ela diz gerar uma troca que fortalece um pouco cada um.  

Foto: Alex Campêlo

“Sou uma mulher muito conecta com a natureza e com minha espiritualidade. A internet é uma curiosidade para mim, lá transpareço minha personalidade, que meus amigos e familiares dizem ser forte. Gosto de abordar assuntos pessoais para despertar uma consciência coletiva e encorajar os seguidores”, diz. 

Veja mais cliques do ensaio com Maria Rebeca Agra por Alex Campêlo:

Veja também